Reconciliação e redenção – Capítulo 60

Reconciliação e redenção são duas das sete doutrinas da salvação. Deus, o Rei, reconcilia Seus inimigos para consigo mediante a intercessão e mediação de Seu Filho. Deus, o Remidor, compra o escravo do pecado no lugar onde o povo se reúne para os negócios, com o sangue redentor de Seu Filho e torna o escravo livre.

I. Reconciliação

Os pecadores são inimigos de Deus. Eles vivem em oposição ao governo de Deus. O homem, em pecado, afirma-se em hostil atividade e antagonismo ao Governante do universo. O Eu e Deus movem-se em direções opostas. Não pode existir amizade entre o homem e Deus enquanto o homem estiver determinado a viver em oposição a Ele. “Os homens estão em guerra entre si, e o homem está em guerra dentro de si mesmo porque não há paz com Deus”. Os inimigos de Deus precisam de reconciliação. “Sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho” (Romanos 5: 10). “Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, o pode ser. Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus” (Romanos 8: 7, 8). “A vós também, que noutro tempo éreis estranhos e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora, contudo, vos reconciliou” (Colossenses 1: 21).

“Não sabeis vós que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus” (Tiago 4: 4).

A reconciliação tem origem na graça de Deus. Deus tomou a iniciativa de remover a inimizade e estabelecer a paz entre Ele e os homens (Romanos 5: 1, 2).

O sacrifício de Cristo proveu a base da reconciliação de Deus, o Rei do universo e Seus inimigos. Deus é propiciado; os pecadores são reconciliados. Os pecadores têm paz com Deus através do Senhor Jesus Cristo. Já não são inimigos de Deus; são amigos d’Ele.

Romanos 5: 1 Paz com Deus por nosso Senhor Jesus Cristo
Romanos 5: 9-11 Inimigos reconciliados através do Filho
2 Coríntios 5: 18-21 Deus nos reconciliando em Cristo
Colossenses 1: 20-22 Fez a paz pelo Seu sangue

A morte de Cristo aplacou Deus; ela removeu a barreira criada pelo pecado do homem em relação à santidade de Deus. A morte de Cristo reconciliou os homens; ela removeu o antagonismo do pecador para com a autoridade de Deus e a oposição ao Seu governo. Sendo reconciliado, o crente vive em submissão ao domínio de Deus. Ele tem paz com Deus (Romanos 5: 1; Efésios 2: 17) acesso a Deus (Romanos 5: 2; Efésios 2: 18; João 14: 6) e unidade com outros Cristãos, quer judeu ou gentio, em um corpo (Efésios 2: 14). A paz com Deus refere-se à reconciliação do pecador; paz de Deus (Filipenses 4: 7) refere-se à calma e equilíbrio interior do crente, um fruto do Espírito; paz entre as nações refere-se ao futuro reino de Cristo (Miquéias 4: 3).

II. Redenção

A redenção é uma das sete doutrinas da salvação. Em alguns aspectos, a redenção e a salvação podem ser usadas indiferentemente. Entretanto, em seu significado básico, a salvação é um termo mais inclusivo que redenção; salvação inclui redenção.

A redenção é a libertação de um escravo de sua escravidão através do pagamento de um preço. A palavra “redimir” é traduzida de três palavras gregas: agorazo, adquirir no fórum (Apocalipse 5: 8; 14: 3, 4); exagorazo, adquirir fora do fórum (Gálatas 3: 13; 4: 5) e lutroo, libertar por um preço (Lucas 24: 21; Tito 2: 14; 1 Pedro 1: 18).

Os pecadores são escravos do pecado. “Todo aquele que comete pecado é servo do pecado” (João 8: 34). “Porque de quem alguém é vencido, do tal também faz-se também servo” (2 Pedro 2: 19). “Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça?” (Romanos 6: 6, 12-22). Os pecadores precisam de redenção. Eles não podem remir a si mesmos; a redenção deve vir de Outro.

A redenção como as outras doutrinas da salvação, tem origem na graça de Deus e a base no sacrifício de Cristo. Deus, o Remidor, realiza Sua obra de redenção através de Jesus, o Redentor. O cenário é a ágora, o mercado de escravos. Os escravos do pecado estão em cativeiro, “vendidos sob o pecado” (Romanos 7: 14). Deus, o Remidor, compra no mercado o escravo do pecado com o precioso sangue de Seu filho, que voluntariamente entregou Sua vida como o preço de resgate pelos pecadores. Havendo pago o preço da compra, o Remidor retira o redimido do mercado de forma que eles nunca mais serão expostos para venda. O Remidor então, põe o prisioneiro em liberdade; a eles é dada perfeita liberdade. Por apreciação e amor pelo Remidor, os redimidos se entregam a Ele como Seus servos (1 Pedro 2: 16).

Mateus 20: 28 Dar a sua vida em resgate
Marcos 10: 45 Dar a sua em resgate de muitos
1 Timóteo 2: 6 Deu a si mesmo em preço de redenção por todos
1 Pedro 1: 18, 19 Fostes resgatados com o precioso sangue
1 Coríntios 6: 20 Fostes comprados por bom preço
Efésios 1: 7 Em quem temos a redenção
Colossenses 1: 14 Em quem temos redenção
Tito 2: 14 Para nos remir de toda iniquidade

No perdoar, Deus é o Credor; na justificação, Ele é o Juiz; na reconciliação, Ele é o Rei; na redenção, Ele é o Remidor. O devedor está na instituição bancária com seu endividamento. O criminoso está na corte da justiça sob condenação. O inimigo está no palácio real, com inimizade. O escravo está no mercado sob cativeiro. O devedor recebe perdão; o criminoso, justificação; o inimigo, paz; o escravo, liberdade.

Os Cristãos foram libertos da escravidão do pecado para que pudessem ser servos de Deus. A liberdade para o Cristão não é uma licença para fazer o mal. Os crentes são livres para fazer, não o que querem, mas o que devem fazer. Alguém encontra a maior liberdade da vida quando obedece a Cristo como Senhor. Ser um servo de Deus e de Seu Filho, é o maior privilégio da vida. Viver em obediência a um Senhor tão glorioso é encontrar o melhor da vida. O cego escritor de hinos, George Matheson (1842-1906), expressou esta verdade nas seguintes palavras:

Me faz um cativo, Senhor,
E então eu serei livre;
Me force a render minha espada,
E então eu serei um conquistador.
Eu me afundo no tumulto da vida,
Quando me firmo por mim mesmo;
Me aprisione com Teus braços,
E forte será a minha mão.
George Matheson

A redenção é tríplice. Os crentes experimentam redenção pelo sangue, pelo poder e pela futura ressurreição. Na redenção pelo sangue de Cristo, eles são redimidos da pena do pecado. Na redenção pelo poder de Cristo, o Santo Espírito, eles são redimidos do poder do pecado. Na redenção pela futura ressurreição, os crentes serão redimidos da presença do pecado. Quando ressuscitados para a imortalidade, eles experimentarão completa redenção. Este evento futuro é descrito como o dia da redenção. (Efésios 4: 30; 1: 13, 14; Lucas 21: 28; Romanos 8: 23).

Print Friendly
Posted in Soteriologia, Teologia Sistemática and tagged , .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Efetue o calculo! *