O fruto do espírito – Capítulo 64

O fruto do Espírito se refere à semelhança das características de Cristo, que é produzida pelo Senhor dentro dos crentes mediante o Seu poder, o Espírito Santo. Quando o crente reconhece a Cristo como Senhor e entrega os poderes da mente e do corpo à Sua influência transformadora, são produzidos dois resultados: o crente “não cumpre a vontade da carne” (Gálatas 5: 16) e sua vida é cheia do fruto do Espírito (Gálatas 5: 22, 23). O primeiro resultado é negativo; o segundo resultado é positivo. O crente “se despoja” do velho homem (Efésios 4: 22; Colossenses 3: 8, 9) e se “reveste” do novo homem (Efésios 4: 24; Colossenses 3: 10-14). No primeiro, a natureza do pecado é reprimida; no segundo, a nova natureza é expressa. Estes dois resultados, produzidos pela habitação de Cristo, ocorrem juntos. Eles são como os dois lados de uma moeda; um sem o outro é incompleto.

I. Raízes produzem frutos

A transformação do caráter resulta em reforma da conduta. Raízes produzem frutos. Quando a vida é governada pela carne, a conduta do homem são as obras da carne (Gálatas 5: 19-21). Quando a vida é governada por Cristo através do Seu Espírito, a conduta do homem será o fruto do Espírito (Gálatas 5: 22, 23). O fruto do Espírito é o oposto das obras da carne. De acordo com a versão Almeida Revista e Corrigida, Paulo escreveu: “Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o Reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra essas coisas não há lei” (Gálatas 5: 19-23).

Gálatas 5: 22, 23 Fruto do Espírito
Efésios 5: 9 Fruto do Espírito
Filipenses 1: 11 Frutos de justiça
Romanos 5: 5 Em nosso coração pelo Espírito Santo
Romanos 14: 17 Alegria no Espírito Santo
Romanos 15: 13 Pela virtude do Espírito Santo
1 Coríntios 13 Frutos versus dons do Espírito
2 Pedro 1: 4-8 Acrescentai à vossa fé
Efésios 4: 22 – 5: 21 Andai como filhos da luz
Colossenses 3: 5-17 Vos vestistes do novo homem
Romanos 12: 9-21 O amor seja não fingido

II. Semelhança das Características de Cristo

Quando Cristo habita no crente que se rendeu, Ele transforma o caráter e a conduta em Sua própria semelhança. Deus deseja que os crentes sejam “conforme a imagem de Seu Filho” (Romanos 8: 29). Hoje os crentes se tornam como Cristo em suas mentes e conduta; na ressurreição eles serão como Ele em Sua natureza física imortal. Hoje, Jesus busca fazer do crente a Sua semelhança. Portanto, o fruto do Espírito, descreve as próprias características de nosso Senhor. Os dois versículos de Gálatas 5: 22, 23 são descritos como a mais curta biografia de Cristo já escrita. Jesus revelou todos estes dons espirituais em Sua própria vida. Quando o Cristão se entrega a Cristo e exercita uma contínua atitude de fé Nele, o caminho está aberto, pelo qual Cristo pode exercer uma influência sobre a mente do crente e produzir os mesmos dons espirituais dentro do indivíduo. Estas características são descritas como o fruto do Espírito porque o Espírito é o meio através do qual Cristo produz estas qualidades.

III. A Justiça Transmitida por Cristo

O fruto do Espírito é a justiça transmitida por Cristo. É a justiça verdadeira produzida dentro do crente que se entregou ao Seu poder transformador. A justiça transmitida difere da justiça imputada. Quando o crente é justificado, ele obtém de Cristo a justiça imputada. A justiça perfeita de Cristo em relação à santa lei de Deus é imputada ao pecador convertido (2 Coríntios 5: 21). Ela é lançada na conta do crente. Ela provê a base judicial mediante a qual Deus pode tratar o pecador convertido como se este pecador fosse justo em relação à Sua lei. A justiça imputada de Cristo é algo externo ao crente. É como uma vestimenta de “linho fino, puro e resplandecente” (Apocalipse 19: 8) do qual o homem é vestido. Por outro lado, a justiça transmitida por Cristo é algo produzido dentro do crente. Na verdade o Cristão se torna “todo ilustre” (Salmos 45: 13). Ele se torna justo em condição, assim como em posição diante de Deus. As características amáveis da justiça de Cristo são concedidas ou transmitidas para dentro da vida do crente.

IV. A Videira e os Ramos

Nosso Salvador ilustrou a relação entre Ele e os Cristãos quando disse: “Eu sou a videira, vocês são os ramos: se alguém permanecer em mim e eu nele, esse dará muito fruto: pois sem mim vocês não podem fazer coisa alguma” (João 15: 5 NVI). Nesta ilustração, a videira representa a Cristo; os ramos representam os crentes. A posição do ramo na videira retrata o fato de que o crente está em Cristo. O fluído vivo (a seiva) que transmite vida e os nutrientes para o ramo é o Espírito. O fato de que a vida da videira flui e habita dentro dos ramos figura a verdade de que Cristo habita no crente através de Seu Espírito. Os frutos da videira representam o fruto do Espírito. O fruto é produzido no ramo, mas é produzido pela videira. O meio pelo qual a videira produz fruto no ramo é o fluído vivo, ou seiva, da videira. O fruto do Espírito, produzido dentro do crente, resulta da obra de Cristo que opera sua obra transformadora através de Seu Espírito.

V. O Fruto Não Produz Por Si Próprio

Devemos observar a diferença entre “fruto” e “obras.” A conduta do pecador é descrita como “obras” da carne; a vida Cristã é retratada como “fruto” do Espírito. As obras são produzidas pelo pecador; o fruto é produzido dentro do Cristão. Embora o Cristão tenha a responsabilidade de render-se e conservar uma atitude de fé, o fruto é produzido dentro de sua vida através da obra de Deus e de Cristo. “Não vem das obras, para que ninguém se glorie. Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas” (Efésios 2: 9, 10). “Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade” (Filipenses 2: 13). “Vos aperfeiçoe em toda a boa obra, para fazerdes a sua vontade, operando em vós o que perante ele é agradável por Cristo Jesus”(Hebreus 13: 21).

O fruto do Espírito não resulta das obras humanas. Estes dons divinos não podem ser produzidos através da aplicação da psicologia humana, mediante qualquer mero redirecionamento da vontade humana nem através de qualquer esforço da natureza carnal. A justiça produzida pelo eu é farisaísmo; as obras produzidas por alguém são obras da carne. “Espiritualidade sem o Espírito não é nada”. “Cristianismo sem Cristo é a religião do eu”. Ninguém pode produzir fruto sem a raiz. O fruto é a manifestação natural da raiz. Alguém observou que os esforços humanos para produzir os frutos do Espírito sem Cristo é como amarrar ornamentos a uma árvore. Os ornamentos são inanimados e não têm contato vital com a vida da árvore. O fruto do Espírito refere-se à obra divina produzida pelo Espírito dentro do Cristão, mediante a ação de Deus e de Jesus através do Espírito. O Cristão deve ter o desejo de que estes dons sejam produzidas dentro dele. Ele deve possuir uma disposição ativa, uma fé ativa e uma apropriação exata desta justiça transmitida por Cristo.

VI. O Fruto é Singular

O termo “fruto” é singular. As nove dádivas espirituais incluídas neste fruto formam um todo indivisível. Elas constituem um cacho do fruto; uma dádiva não pode ser separada das outras. O “fruto” singular indica a unidade do caráter dentro de Cristo e dentro do Cristão. Pela sua relação com Cristo, o Cristão experimenta uma unidade de vida, personalidade e propósito. O seu olho é “singular” (Mateus 6: 22, 23 BJ); ele ama a Deus acima de tudo (Mateus 22: 37); cinge os lombos do seu entendimento (1 Pedro 1: 13). Todas as virtudes da vida do Cristão são equilibradas, harmonizadas e combinadas numa única vida direcionada a Cristo.

Cada virtude ou característica deve ser balanceada por outra virtude na vida do crente. Virtudes não equilibradas por outra virtude correspondente causam na pessoa um caráter incompleto, desequilíbrio e definhamento. Por exemplo, uma pessoa pode ser tão humilde que seja tímida. Ela pode ser tão simples que seja ingênua. Ela pode ser tão tolerante a ponto de não ter convicções, ou pode ser tão firme que seja teimosa. Ele pode ser tão econômico que seja avarento. Ele pode ser tão entusiástico que seja fanático; o fogo santo pode se transformar em fogo selvagem. Não podemos ir de um extremo a outro. Uma pessoa não pode ser orgulhosa nem tímida, nem desconfiado demais nem ingênuo, nem despreocupado nem histérico, nem perdulário nem avarento, nem ansioso nem imprudente, nem glutão nem um asceta, etc. A economia deve estar em equilíbrio com a generosidade; a crença deve estar balanceada com tolerância; a humildade deve estar balanceada com o respeito próprio. A admoestação para “aborrecer o mal” está balanceada com a admoestação para “apegar-se ao bem” (Romanos 12: 9). (Cf. E. Stanley Jones, Abundant Living. Nashville: Abingdon-Cokesbury Press, 1942, pág. 159, 160).

Pedro escreveu, “vós também, pondo nisto mesmo toda a diligência, acrescentai à vossa fé a virtude, e à virtude, a ciência, e à ciência, a temperança, e à temperança, a paciência, e à paciência, a piedade, e à piedade, a fraternidade, e à fraternidade, o amor” (2 Pedro 1: 5-7). A palavra “acrescentar” neste texto é traduzida do grego epichoregeo, um termo musical que significa “para misturar”. Como o diretor musical grego combinava várias vozes no entoar de uma canção, assim o crente deve combinar todos as dádivas espirituais e o fruto do Espírito numa bela e harmoniosa vida à semelhança de Cristo.

VII. Fruto versus Dons do Espírito

A distinção entre o fruto do Espírito e os dons do Espírito já foi observado no capítulo XLIX, “A Obra de Cristo Através de Seu Espírito”. Os dons do Espírito (1Corínitos 12) se referem às habilidades sobrenaturais que Cristo deu aos obreiros Cristãos durante a era apostólica de forma que fossem capazes de realizar Sua obra. O fruto do Espírito se refere às virtudes na semelhança de Cristo produzidas dentro dos crentes por Cristo através do Seu Espírito. Dons do Espírito são externos e temporários; fruto do Espírito é interno e permanente. Possuir dons do Espírito é opcional; possuir o fruto do Espírito é essencial. Dons do Espírito são inferiores ao fruto do Espírito. Em 1 Coríntios 13, Paulo mostrou que o amor, que resume o fruto do Espírito, é superior aos dons do Espírito.

VII. A Análise do Fruto do Espírito

Os nove elementos que constituem o fruto do Espírito são amor, gozo (alegria), paz, longanimidade (paciência), benignidade (gentileza), bondade (generosidade), fé (fidelidade), mansidão (brandura) e temperança (domínio próprio). As palavras originais em grego utilizadas por Paulo quando ele escreveu sobre o fruto do Espírito são: agape, amor; chara, alegria; eirene; paz; makrotumia, longanimidade ou paciência; chrestotes, benignidade ou gentileza; agathosune, bondade ou generosidade; pistis, fé ou fidelidade; praotes, mansidão ou brandura; egkrateia, temperança ou domínio próprio.

Em relação a Deus, Cristo e o homem, a vida cheia do Espírito é amor. O amor é o principal fruto do Espírito e resume em si mesmo todas as dádivas espirituais. Em resposta ao lamento, tristeza e sofrimento, a vida cheia do Espírito é alegria. Em resposta à inquietação, confusão e tumulto, ela é paz. Na relação do crente com a perseguição, dificuldades, imperfeições dos outros e os fatores que não podem ser alterados, o fruto do Espírito é longanimidade ou paciência. Em resposta à irritação, injustiça e insultos, a vida dirigida por Cristo é benignidade ou gentileza. Em resposta às necessidades dos outros, é generosidade ou bondade. Na relação do crente com a verdade, justiça e obra do Senhor, o fruto do Espírito é fidelidade. Na atitude de alguém consigo mesmo ou para com os outros é mansidão ou brandura. Em relação às tentações ou instintos dados por Deus, a vida cheia do Espírito é temperança ou domínio próprio. Quando uma vida é controlada por Cristo o resultado é o autocontrole adequado.

1. Amor. “O fruto do Espírito é: amor” (Gálatas 5: 22). O amor é o mais importante fruto do Espírito, e de certa forma, ele resume todos os outros fatores incluídos no fruto do Espírito.

Alguém analisou de uma forma muito bela o fruto do Espírito em Gálatas 5: 22, e mostrou que todas as graças mencionadas são diferentes formas do próprio amor. O apóstolo não está falando de frutos diferentes, mas de um fruto, o fruto do Espírito, e as várias palavras que seguem são na verdade fases e descrições de um fruto, que é o amor em si mesmo. Alegria, que é a primeira mencionada, é o amor com asas; a paz, que é a seguinte, é o amor dobrando estas asas, e aninhando-se sob as asas de Deus; longanimidade é o amor duradouro; benignidade é o amor em sociedade; a bondade é o amor em ação; fé é o amor confiante; mansidão é o amor se curvando; temperança é o verdadeiro amor próprio, e a consideração adequada pelos nossos reais interesses, que é tanto o dever de amar, como o de respeitar os interesses dos outros. Assim nós vemos que o amor é essencial para o pleno caráter Cristão, assim como também é o complemento e a coroa de tudo. (A. B. Simpson, Walking in the Spirit. Harrisburg: Christian Publications, Inc., Pág. 86, 87.)

No famoso capítulo do amor, 1 Coríntios 13, Paulo enfatizou a superioridade e a preeminência do amor. No capítulo anterior, o apóstolo tratou sobre os dons do Espírito, que Cristo concedeu sobre os obreiros do Novo Testamento de forma que a Palavra fosse confirmada (Marcos 16: 20; Hebreus 2: 3, 4). Possuindo os dons do Espírito, as pessoas poderiam operar milagres, curar os enfermos, ressuscitar os mortos, falar línguas estranhas ou predizer eventos futuros. Paulo disse ao Coríntios que algo era superior aos dons do Espírito. Ele disse: “Eu vos mostrarei um caminho ainda mais excelente” (1 Coríntios 12: 31). Ele disse que o amor, o fruto do Espírito, é mais importante que os dons do Espírito. “Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria” (1 Coríntios 13: 1-3). Dons do Espírito eram temporários; fruto do Espírito é permanente. A habilidade de profetizar pode ser “aniquilada”; o falar em línguas “cessará”; o conhecimento pode “desaparecer” (1 Coríntios 13: 8). O amor, por outro lado “nunca falha”; é permanente. “Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; mas o maior destes é o amor” (1 Coríntios 13: 13). James Moffat apresenta uma tradução interessante de 1 Coríntios 13: 4-7. “O amor é muito paciente, muito benigno. O amor não conhece a inveja; o amor não ostenta, não se exalta; nunca é rude; nunca é egoísta; nunca se irrita; nunca fica magoado; o amor nunca se alegra quando os outros erram, o amor se alegra pela bondade, sempre brando ao se expor, sempre ansioso para crer no melhor, sempre esperançoso, sempre paciente” (Moffatt. The Bible, a New Translation. New York: Harper & Brothers, 1935).

Nosso Senhor ensinou que o amor resume os ensinamentos éticos da lei e dos profetas. “E um deles, doutor da lei, interrogou-o para o experimentar, dizendo: Mestre, qual é o grande mandamento da lei? E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Desses dois mandamentos dependem toda a lei e os profetas” (Mateus 22: 35-40). Paulo escreveu: “A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei. Com efeito: Não adulterarás, não matarás, não furtarás, não darás falso testemunho, não cobiçarás, e, se há algum outro mandamento, tudo nesta palavra se resume: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. O amor não faz mal ao próximo; de sorte que o cumprimento da lei é o amor” (Romanos 13: 8-10). O amor é descrito por Tiago como a lei real. “Todavia, se cumprirdes, conforme a Escritura, a lei real: Amarás a teu próximo como a ti mesmo, bem fazeis” (Tiago 2: 8). Os crentes, é claro, não estão debaixo da lei; estão debaixo da graça. A lei requeria amor, mas não era capaz de produzi-lo. Cristo produz o verdadeiro amor dentro do homem quando Ele habita em seu interior através do Seu Espírito.

O amor é uma marca de identificação do Cristão. Jesus disse: “Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis. Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros” (João 13: 34, 35). Nosso Senhor também disse: “Como o Pai me amou, também eu vos amei a vós: permanecei no meu amor. Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor; do mesmo modo que eu tenho guardado os mandamentos de meu Pai e permaneço no seu amor. O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, como eu vos amei. Isto vos mando: que vos ameis uns aos outros” (João 15: 9, 10, 12, 17).

Três pensamentos estão conectados: O amor de Deus por nós, o amor de Deus em nós e o amor de Deus através de nós. Norman B. Harrison mencionou estes três pensamentos em seu livro, His Love (Minneapolis: The Harrison Service, 1943). O primeiro pensamento está relacionado com a salvação; o segundo, com a santificação; e o terceiro, com a obra. Deus revelou o Seu amor por nós providenciando nossa salvação através do sacrifício de Seu Filho. Deus produz o Seu amor em nós através do fruto do Espírito. Pela conversão, o homem aceita o amor de Deus por ele. Pela rendição ao domínio de Cristo e pela habitação de seu poder, o homem experimenta uma transformação interior que resulta na presença do amor de Deus em suas atitudes e ações. O amor que compõe parte do fruto do Espírito é o amor de Deus e de Jesus que é concedido ao crente. “O amor de Deus está derramado em nosso coração pelo Espírito Santo que nos foi dado” (Romanos 5: 5). O amor de Deus tem sido “derramado em nosso coração”. Assim como a videira envia o fluído vivo para que os ramos produzam fruto, Deus e Jesus enviam Seu amor para dentro da mente e do coração do crente para produzir o verdadeiro amor, o fruto do Espírito. O amor de Deus através de nós, o terceiro pensamento nesta série, refere-se ao amor que flui de nossa vida para a vida dos outros. O amor de Deus em nós se refere ao caráter do crente; o amor de Deus através de nós se refere à conduta do crente. O Cristão é um canal mediante o qual Deus pode mostrar o Seu amor para a humanidade.

O amor deveria ser a atmosfera da vida do crente. Os crentes são instruídos a amar a Deus (Mateus 22: 37; Romanos 8: 28; 1 Coríntios 2: 9; 8: 3; Tiago 1: 12; 2: 5; 1 João 4: 19-21; 5: 1-3; Salmos 31: 23). Os crentes são instruídos a amar o Senhor Jesus Cristo (Mateus 10: 37; João 8: 42; 14: 15, 21, 23; 1Coríntios 16: 22; Efésios 6: 24; 1 Pedro 1: 8). Os Cristãos são exortados a amar todos os homens (1 Tessalonicenses 3: 12), seus vizinhos (Mateus 22: 39; Romanos 13: 9, 10; Gálatas 5: 14; Tiago 2: 8; Lucas 10: 27-37), seus inimigos (Mateus 5: 43- 47; Lucas 6: 35; Romanos 12: 17-21) e uns aos outros (João 15: 12; Romanos 12: 9, 10; Gálatas 6: 10; Efésios 1: 15; 4: 2; 5: 2; Colossenses 2: 2; 3: 14; 1Tessanolicenses 3: 12; 4: 9; Hebreus 10: 24; 1 Pedro 1: 22; 2: 17; 3: 8; 4: 8; 1João 3: 10, 14-18, 23; 4: 7, 8, 11, 20, 21; 5: 1, 2).

Harold J. Doan escreveu:

Este amor deve também ir além da família da fé e abraçar o mundo inteiro. Existe dois e meio bilhões de filhos de Deus pela criação neste mundo e Deus e Seu Filho amam com afeição a cada um deles. Deus deseja ter a cada um destes filhos em Seu Reino. Para nós eles podem ser não amáveis, mas Deus os ama. A Parábola do Bom Samaritano ensina que nosso amor deve ser amplo o suficiente para incluir cada pessoa da terra, amáveis e não amáveis. (The Restitution Herald, 16 de Julho, 1956)

2. Alegria (Gozo). O segundo elemento do fruto do Espírito é a alegria. A alegria é uma característica distintiva na vida do Cristão. A alegria dentro do Cristão resulta da obra de Cristo através da habitação do Seu poder. Ele disse: “Tenho-vos dito isso para que a minha alegria permaneça em vós, e a vossa alegria seja completa” (João 15: 11). “Digo isto no mundo, para que tenham a minha alegria completa em si mesmos” (João 17: 13). Jesus deseja doar a Sua alegria ao crente. O fruto do Espírito, nós temos observado, se refere às próprias características de Cristo que Ele transmite aos Cristãos. Por meio do Espírito Santo, Jesus concede Sua alegria sobre o crente (Colossenses 1: 11; Romanos 14: 17; 15: 13; 1Tessalonicenses 1: 6).

O povo do Senhor é instruído a ser alegre. “Alegrai-vos no SENHOR e regozijai-vos, vós, os justos; e cantai alegremente todos vós que sois retos de coração” (Salmos 32: 11). “Não vos entristeçais, porque a alegria do SENHOR é a vossa força” (Neemias 8: 10). “Regozijai-vos, sempre, no Senhor; outra vez digo: regozijai-vos” (Filipenses 4: 4). “Regozijai-vos sempre” (1Tessanolissenses 5: 16). “Ao qual, não o havendo visto, amais; no qual, não o vendo agora, mas crendo, vos alegrais com gozo inefável e glorioso” (1 Pedro 1: 8). A exortação ao povo do Senhor para louvar a Deus é um refrão que ocorre repetidamente nos Salmos. Um exemplo é o Salmo 95: 1, 2, “Vinde, cantemos ao SENHOR! Cantemos com júbilo à rocha da nossa salvação! Apresentemo-nos ante a sua face com louvores e celebremo-lo com salmos”. “Portanto, ofereçamos sempre, por ele, a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome” (Hebreus 13: 15). Paulo escreveu: “A palavra de Cristo habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais; cantando ao Senhor com graça em vosso coração” (Colossenses 3: 16). “E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito, falando entre vós com salmos, e hinos, e cânticos espirituais, cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração” (Efésios 5: 18, 19).

Alegria é a nota principal de Filipenses. Esta epístola de Paulo pode ser resumida na frase: “Alegrai-vos em Cristo” (Filipenses 1: 4, 18, 25, 26; 2: 2, 16, 17, 18, 28, 29; 3: 1, 3; 4: 1, 4, 10.) Embora Paulo estivesse em “cadeias”, um prisioneiro do César em Roma, seu coração estava cheio de alegria. Ele estava agradecido pelo privilégio de sofrer por Cristo.

Os pecadores são naturalmente desprovidos da alegria verdadeira. A vida do homem está cheia de discórdia, tumulto e tristeza porque ele está fora da sintonia de Cristo e da “música do universo”. Melancolia e tristeza resultam do individualismo. Procurando por resultados próprios com temor; procurando por resultados de Deus em fé. A busca por si mesmo gera tristeza e desespero; a busca por Deus traz alegria e esperança. “Luxúria é igual a desgosto”. O individualismo é miséria. Quando alguém considera a posição do pecador diante de Deus, ele pode observar que o pecador tem razões para estar triste e melancólico (Efésios 2: 12).

O Cristão experimenta alegria porque ele sabe que seus pecados foram perdoados. Depois que o Etíope foi batizado por Felipe, “cheio de alegria, seguiu o seu caminho” (Atos 2: 39NVI). Depois que o carcereiro de Filipos se converteu a Cristo e foi batizado no meio da noite, ele “alegrou-se com toda sua casa” (Atos 16: 34). Jesus disse aos seus discípulos, “Alegrai-vos, antes, por estar o vosso nome escrito nos céus” (Lucas 10: 20). “Há alegria diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende” (Lucas 15: 10), e há alegria dentro do coração do pecador que aceita o dom da salvação de Deus (Isaías 61: 10; Salmos 40: 2, 3; Romanos 5: 11).

O crente experimenta alegria em meio às tribulações. Existe uma diferença entre felicidade e alegria. A felicidade está baseada no que acontece a uma pessoa. A alegria está baseada no caráter da pessoa. O Cristão pode experimentar uma alegria interior mesmo nas coisas erradas que acontecem com ele. “Não é o que acontece conosco, e sim como nós reagimos ao que acontece conosco que revela o caráter”. A verdadeira alegria não é determinada pelo lugar que você está, mas pelo que você é. Paulo e Silas estavam na prisão em Filipos porque eles pregaram o evangelho. Seus corpos estavam sangrando pelos açoites recebidos. Entretanto, estes homens piedosos, não resmungaram nem reclamaram. “Perto da meia-noite, Paulo e Silas oravam e cantavam hinos a Deus, e os outros presos os escutavam” (Atos 16: 25). Alguém observou: “Os Cristãos perseguidos estavam em prisão, mas a prisão não estava neles”. A religião Cristã não tem muro das lamentações. Os Cristãos são agradecidos por todas as coisas; se alegram em todas as coisas. (Mateus 5: 11, 12; Lucas 6: 22, 23; Atos 5: 41; 2 Coríntios 6: 10; 7: 4; 1 Pedro 1: 6; 4; 13; Tiago 1: 2; Habacuque 3: 17, 18).

O coração do Cristão é cheio de alegria porque ele tem esperança quanto ao futuro. “Nos alegramos na esperança de participar da glória de Deus” (Romanos 5: 2 NTLH). Eles são retratados como aqueles que “se mantêm alegres na esperança” (Romanos 12: 12). O crente tem uma esperança pela eternidade. Ele sabe o que vem pela frente. Ele sabe que lhe será dada a imortalidade quando Jesus vier. Embora ele possa cair no sono da morte, ele sabe que será levantado da sepultura, transformado e glorificado. As palavras “alegria” e “esperança” são usadas como sinônimos na Bíblia. (1Tessalonicenses 2: 19; Hebreus 12: 2). A esperança produz a alegria.

Alguém sugeriu que, para ter alegria, a pessoa deve saber como soletrar esta palavra. A forma de soletrar “alegria” (joy, em inglês) é Jesus, em primeiro; outros, em segundo; e você mesmo, por último (Joy – Jesus, others, you). Jesus está à espera no céu para conceder alegria aos crentes que entregarão suas vidas a Ele. Ele irá conceder esta alegria “no instante” em que o crente depender Dele, momento após momento. Se alguém permitir que Cristo preencha sua vida com alegria hoje, este estará preparado para compartilhar com Ele da alegria na nova terra no Seu reino porvir (Isaías 35: 1, 2; 55: 12; Apocalipse 21: 4).

3. Paz. A vida cheia do Espírito, em resposta à inquietação, confusão e tumulto, é paz. Mediante o Seu poder, o Espírito Santo, Jesus produz paz dentro do coração do crente que se entregou. Ele tem “justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo” (Romanos 14: 17). “Mas a inclinação do Espírito é vida e paz” (Romanos 8: 6). Aquele que tem a mente espiritual experimenta paz em seu coração.

Jesus é o Príncipe da Paz (Isaías 9: 6). Só Ele pode trazer paz ao coração do homem e às nações da terra. A terra nunca terá uma paz verdadeira até que venha Jesus como Príncipe da Paz e governe como Rei sobre as nações. (Mateus 24: 6, 7). Três pensamentos estão conectados: paz entre as nações, paz com Deus e paz de Deus. A paz entre as nações ocorrerá no futuro reino de Cristo na terra (Miquéias 4: 3; Isaías 2: 4; 9: 7; 11: 6-9; Salmos 72: 7). “E estes converterão as suas espadas em enxadões e as suas lanças, em foices; não levantará espada nação contra nação, nem aprenderão mais a guerrear” (Isaías 2: 4). A justiça do governo de nosso Senhor produzirá a verdadeira paz entre as nações e a paz na terra. A paz com Deus se refere à remoção da inimizade entre o pecador e Deus através do sacrifício de Cristo. A paz com Deus ocorre na conversão. Ela é resultado da reconciliação do pecador com Deus através de Cristo. (Romanos 5: 1; Efésios 2: 14, 15; Colossenses 1: 20; Isaías 27: 5; 53: 5). A paz de Deus se refere à paz dentro do crente a qual é um elemento do fruto do Espírito. A paz com Deus se refere à nova relação legal entre o crente e Deus. A paz de Deus é resultado da nova relação vital. A paz com Deus é o oposto da inimizade entre Deus e o homem. A paz de Deus é o oposto da inquietação, preocupação e ansiedade. Paulo escreveu aos crentes de Filipos e disse a eles que a paz de Deus é o antídoto para a preocupação. “Não estejais inquietos por coisa alguma; antes, as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus, pela oração e súplicas, com ação de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus” (Filipenses 4: 6, 7). O crente deveria ser agradecido por todas as coisas; ele deveria orar a respeito de todas as coisas; ele não deveria se preocupar com nada (Norman B. Harrison, His Peace, 1930).

Preocupação, ansiedade e temor são experiências comuns do homem moderno. O homem se preocupa porque ele não compreende o cuidado paternal de Deus por Seus filhos. A preocupação resulta do olhar para si mesmo; a confiança resulta do olhar para Deus. Quando o coração de alguém está cheio de ansiedade e cuidados, ele está negando, de certa forma, a providência e o cuidado amoroso de Deus. Pedro escreveu: “Lançando sobre Ele toda vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós” (1 Pedro 5: 7). Deus cuida de Seus filhos, e eles deveriam lançar sobre Ele as ansiedades. A preocupação é inútil, ela consome tempo e energia mental. Alguém comparou a preocupação com um automóvel que permanece imóvel enquanto o motor está ligado. Ele usa energia, mas nunca chega a lugar algum. A preocupação, além disso, produz efeitos nocivos sobre o corpo do homem. A mente e o corpo estão interrelacionados. O homem é uma criatura psicossomática. Atitudes mentais erradas produzem muitas desordens funcionais. Muitas pessoas experimentam nervosismo e desordem estomacal porque suas mentes estão cheias de ansiedade, preocupação e ressentimentos. Para estas pessoas, a saúde espiritual traria a saúde física. É claor que nem todas as enfermidades resultam de atitudes mentais errôneas. Muitas enfermidades apresentam uma base física definida e devem receber tratamento médico. Muitos crentes maduros cheios do Espírito têm enfermidades e aflições, não porque eles sejam pecadores, mas porque são mortais. Seus corpos serão transformados da mortalidade para a imortalidade quando Jesus vier. Então eles serão perfeitos e livres de toda enfermidade e aflição.

O crente pode vencer a preocupação, a ansiedade e o temor quando mudar a direção dos seus pensamentos de si para Deus. Uma pessoa não deveria se preocupar com as suas preocupações. Ele pode limpar e esvaziar seu “círculo de preocupação” entregando os seus cuidados a Deus e Cristo. Instruindo os homens a não se preocuparem com os pecadores que prosperam, Davi disse: “Não te indignes por causa dos malfeitores, nem tenhas inveja dos que praticam a iniquidade. Deleita-te também no SENHOR, e ele te concederá o que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao SENHOR; confia nele, e ele tudo fará. Descansa no SENHOR e espera nele” (Salmos 37: 1, 4, 5, 7). “Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; porque ele confia em ti. Confiai no SENHOR perpetuamente; porque o SENHOR Deus é uma rocha eterna” (Isaías 26: 3, 4). Paulo escreveu, “ A paz de Deus domine em vossos corações” (Colossenses 3: 15). “Ora, o mesmo Senhor da paz vos dê sempre paz de toda maneira” (2 Tessalonicenses 3: 16). Deus não dá paz mental ao crente removendo as incertezas e dificuldades que causam a preocupação, mas mudando a atitude do crente a respeito destas circunstâncias. Paz não é a ausência de tumulto e confusão; paz é a atitude Cristã de equilíbrio e serenidade em meio do tumulto e confusão.

A paz, um fruto do Espírito, é a própria característica de paz de nosso Senhor que ele transfere ao crente. Jesus quer dar a Sua paz para nós. Ele disse: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize” (João 14: 27). “Tenho-vos dito isso, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo; eu venci o mundo” (João 16: 33). O mundo oferece tribulações; Jesus oferece paz. O Mestre que repreendeu o vento e acalmou a tempestade sobre o mar da Galileia, é capaz de acalmar e pacificar as tempestades de confusão no coração dos homens hoje (Marcos 4: 35-41). Assim como nosso Senhor repreendeu os discípulos, assim hoje questiona aos homens “Por que vocês estão com tanto medo? Ainda não têm fé?” (Marcos 4: 40 NVI).

A paz dentro do crente se expressa também na paz entre os irmãos. “Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens” (Romanos 12: 18). “Sigamos, pois, as coisas que servem para a paz e para a edificação de uns para com os outros” (Romanos 14: 19). “Procurando guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz” (Efésios 4: 3). “Tende paz entre vós” (1 Tessalonicenses 5: 13). “Foge, também, dos desejos da mocidade; e segue a justiça, a fé, o amor e a paz com os que, com um coração puro, invocam o Senhor” (2Timóteo 2: 22). “Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hebreus 12: 14).

4. Longanimidade. Longanimidade ou paciência, da palavra grega makrothumia, é uma característica do crente cheio do Espírito e governado por Cristo em ralação à perseguição, dificuldades, imperfeições dos outros e fatores que não podem ser mudados. Aquele que é paciente calmamente suporta o sofrimento, as aflições e perseguição. Ele não se perturba com obstáculos, atrasos e falhas. Ele é capaz de aguentar o estresse; ele é capaz de sofrer pacientemente. Ele é capaz de lidar com aquelas coisas que não podem ser mudadas e esperar, sem descontentamento, por aquelas coisas que só ocorrerão no futuro. Ele é como o lavrador que “espera o precioso fruto da terra, aguardando-o com paciência, até que receba a chuva temporã e serôdia” (Tiago 5: 7). Aquele que é impaciente se aflige, resmunga, contende, critica, “não pode aguentar”, “não pode lidar com isso” e não pode esperar. Um escritor desconhecido disse: “Deus, conceda-me a coragem para mudar as coisas que eu posso mudar, a serenidade para aceitar aquelas que não posso mudar, e sabedoria para saber a diferença”.

A paciência é um fruto do Espírito. A paciência não resulta de um esforço desesperado da vontade humana diante das adversidades, mas de uma dependência de Cristo e Seu poder transformador. Paulo mostrou que o poder de Cristo é a fonte da verdadeira paciência quando escreveu, “corroborados em toda a fortaleza, segundo a força da sua glória, em toda a paciência e longanimidade, com gozo” (Colossenses 1: 11). Ele exortou os Cristãos a serem “pacientes para com todos” (1Tessalonicenses 5: 14). Pedro escreveu que os Cristãos deveriam acrescentar “à temperança, a paciência; e à paciência, a piedade” (2Pedro1: 6). Paulo disse que a comunhão Cristã e a unidade podem ser mantidas se o Cristão tiverem paciência uns para com os outros. “Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor, procurando guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz” (Efésios 4: 2, 3). Ele insistiu aos homens mais velhos que sejam “sóbrios, graves, prudentes, sãos na fé, no amor e na paciência” (Tito 2: 2). Os crentes que são maduros na fé Cristã devem ser pacientes para com aqueles que são imaturos em Cristo. “É difícil para o paciente ter paciência com o impaciente”.

Pastores e anciãos são instados a ter paciência e longanimidade na sua obra para o Senhor (2 Timóteo 4: 2; 1 Timóteo 6: 11; 2 Timóteo 2: 24, 25; 1 Timóteo 3: 3; 2Coríntios 6: 4). Os crentes são exortados a exercitar a paciência quando estiverem em perseguição (Romanos 12: 12; 1 Pedro 2: 20; Tiago 1: 2-4; Romanos 5: 3, 4; 2 Tessalonicenses 1: 4; 2 Timóteo 3: 10, 11). Os crentes devem ter paciência em relação à segunda vinda de Cristo. (Tiago 5: 7, 8; 2Tessalonicenses 3: 5; 1 Tessalonicenses 1: 3, 10; 1 Coríntios 1: 7; Romanos 8: 24, 25; 15: 4, 5; Hebreus 6: 12, 15; 10: 36). A paciência é o remédio para o que alguém chamou de “Melancolia da Segunda Vinda”. A paciência deve ser exercitada em todas as áreas da vida Cristã. “E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido” (Gálatas 6: 9). A vida eterna é prometida “aos que, persistindo em fazer o bem, buscam glória, honra e imortalidade” (Romanos 2: 7). A semente que caiu “em boa terra, esses os que, ouvindo a palavra, a conservam num coração honesto e bom e dão fruto com perseverança” (Lucas 8: 15). “Deixemos todo embaraço e o pecado que tão de perto nos rodeia e corramos, com paciência, a carreira que nos está proposta” (Hebreus 12: 1). O segredo para adquirir esta paciência com a qual alguém poderá correr a corrida que está proposta para ele é “olhar para Jesus, o autor e consumador da fé” (Hebreus 12: 2). Paciência é um fruto do Espírito.

5. Benignidade. O quinto fator incluído no fruto do Espírito é a benignidade. A palavra grega da qual benignidade é traduzida em Gálatas 5: 22 é chrestotes, gentileza ou utilidade. Esta palavra grega ocorre dez vezes no Novo Testamento. Em seis destes dez versos, a palavra refere-se à benignidade de Deus (Efésios 2: 7; Tito 3: 4; Romanos 2: 4 duas vezes; 11: 22 duas vezes). Nos quatro versos restantes, a palavra grega é traduzida como “bem” (Romanos 3: 12) e “benignidade” (2Coríntios 6: 6; Colossenses 3: 12; Gálatas 5: 22). O Emphatic Diaglott e a Versão Revisada em Inglês traduzem esta palavra grega em Gálatas 5: 22 como “amabilidade”.

Em resposta à irritação, injustiça e insultos, os Cristãos são amáveis e gentis para com os outros. Eles são compassivos e misericordiosos; eles têm compaixão, piedade e simpatia. “Sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo” (Efésios 4: 32). “Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade, suportando-vos uns aos outros e perdoando-vos uns aos outros, se algum tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também” (Colossenses 3: 12, 13). “Ao servo do Senhor não convém brigar, mas, sim, ser amável para com todos, apto para ensinar, paciente” (2 Timóteo 2: 24 NVI). “Admoesta-os a que se sujeitem aos principados e potestades, que lhes obedeçam e estejam preparados para toda boa obra; que a ninguém infamem, nem sejam contenciosos, mas modestos, mostrando toda mansidão para com todos os homens” (Tito 3: 1, 2). “Mas a sabedoria que vem do alto é, primeiramente, pura, depois, pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade e sem hipocrisia” (Tiago 3: 17). Os Cristãos devem acrescentar “à piedade, a fraternidade; e à fraternidade, o amor” (2 Pedro 1: 7). Paulo escreveu que “o amor é paciente, o amor é bondoso” (1 Coríntios 13: 4 NVI). “Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros” (Romanos 12: 10). “E, finalmente, sede todos de um mesmo sentimento, compassivos, amando os irmãos, entranhavelmente misericordiosos e afáveis” (1 Pedro 3: 8).

6. Bondade. Bondade é traduzida da palavra grega agathosune. Esta palavra grega ocorre somente quatro vezes no Novo Testamento. (Romanos 15: 14; Gálatas 5: 22; Efésios 5: 9; 2 Tessalonicenses 1: 11). Os três primeiros textos referem-se à bondade entre os crentes; o último texto refere-se à bondade de Deus. Uma palavra grega relacionada é agathos, traduzida como “bom” (atos 9: 36; 2 Coríntios 9: 8; Gálatas 6: 10; Efésios 2: 10; Colossenses 1: 10, 2 Tessalonicenses 2: 17; 1 Timóteo 2: 10; 5: 10; 2 Timóteo 2: 21; 3: 17; Tito 2: 5; 3: 1; Hebreus 13: 21; Tiago 3: 17; e outras). Um sinônimo para bondade como fruto do Espírito é a generosidade. Bondade ou generosidade é a resposta da vida cheia do Espírito à necessidade dos outros.

Jesus disse: “E, se fizerdes bem aos que vos fazem bem, que recompensa tereis? Também os pecadores fazem o mesmo. E, se emprestardes àqueles de quem esperais tornar a receber, que recompensa tereis? Também os pecadores emprestam aos pecadores, para tornarem a receber outro tanto. Amai, pois, a vossos inimigos, e fazei o bem, e emprestai, sem nada esperardes” (Lucas 6: 33-35). Paulo exortou: “comunicai com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade” (Romanos 12: 13). “Aquele que furtava não furte mais; antes, trabalhe, fazendo com as mãos o que é bom, para que tenha o que repartir com o que tiver necessidade” (Efésios 4: 28). Paulo escreveu a Timóteo: “Manda aos ricos deste mundo que não sejam altivos, nem ponham a esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas as coisas para delas gozarmos; que façam o bem, enriqueçam em boas obras, repartam de boa mente e sejam comunicáveis; que entesourem para si mesmos um bom fundamento para o futuro, para que possam alcançar a vida eterna” (1 Timóteo 6: 17-19). “E não vos esqueçais da beneficência e comunicação, porque, com tais sacrifícios, Deus se agrada” (Hebreus 13: 16). A palavra “comunicar” se refere a doação financeira; ela significa compartilhar com os outros, usar como propriedade comum. “E o que é instruído na palavra reparta de todos os seus bens com aquele que o instrui” (Gálatas 6: 6).

7. Fé. O sétimo fator incluído no fruto do Espírito é a fé. Fé e fidelidade andam juntas. Fé é a resposta do homem à fidelidade de Deus. Confiança é sua resposta à confiabilidade de Deus. Fé é um ato da vontade do pecador na conversão; é uma atitude do Cristão que vive para Cristo a cada dia. A fidelidade refere-se ao fato de que os crentes são constantes, imutáveis, leais e firmes até o fim. Os Cristãos devem ser fiéis uns para com os outros; eles devem ser fiéis a Deus.

A fidelidade é uma virtude importante que cada crente deveria possuir. Paulo exortou: “Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor” (1 Coríntios 15: 58). Ele escreveu que os crentes deveriam estar “arraigados e edificados nele e confirmados na fé, assim como fostes ensinados, crescendo em ação de graças” (Colossenses 2: 7). “Vigiai, estai firmes na fé, portai-vos varonilmente e fortalecei-vos” (1 Coríntios 16: 13). Os santos glorificados na segunda vinda de Cristo são descritos por João: “Os que estão com ele, chamados, eleitos e fiéis” (Apocalipse 17: 14). Ser fiel é estar firmemente nas promessas de Deus e ser verdadeiro em lealdade e afeição em relação a Ele. (Mateus 25: 21, 23; Atos 14: 22; 1Coríntios 4: 2, 17; 16: 13; Efésios 1: 1; 4: 14- 16; 6: 21; Filipenses 4: 1; Colossenses 1: 2; 2: 5; 1Tessalonicenses 5: 21; 2Tessalonicenses 2: 15; 1Timóteo 3: 11; 6: 2; 2Timóteo 2: 2; Tito 1: 9; Hebreus 3: 14; 3João 5; Apocalipse 3: 11).

Nosso Salvador, em Sua fidelidade a Deus, é um exemplo e uma inspiração para a fidelidade de Seus seguidores. Jesus sempre fez as coisas que agradavam a Deus. Ele era genuíno, sincero, dependente, digno de confiança, sempre fiel. Ele descreveu a Si como “o amém, a testemunha fiel e verdadeira” (Apocalipse 3: 14). Ele disse “Eu sou o pão verdadeiro. Eu sou o vinho verdadeiro. Eu sou a verdade”. Nenhum obstáculo foi tão grande, nenhuma oposição foi tão intensa; Jesus foi fiel até a morte. Hoje, Jesus continua imutável em Sua fidelidade. “A fidelidade será o seu cinturão” (Isaías 11: 5 NVI).

A vida dos primeiros Cristãos foram testemunhos de fidelidade a Deus. Os crentes convertidos no Dia de Pentecostes não foram vítimas da histeria coletiva; eles não foram tomados por alguma experiência emocional temporária. “E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações” (Atos 2: 42). O grande apóstolo missionário, um destacado exemplo de fidelidade, pode declarar próximo ao fim de seu ministério: “Combati um bom combate, acabei a carreira, guardei a fé” (2Timóteo 4: 7).

A decisão de se tornar um Cristão é uma decisão eterna. É uma escolha para a vida, ou seja, algo que se faz uma única, e de uma vez por todas. O crente entra em Cristo e busca manter esta posição para a eternidade. Ele habita em Cristo; ele é fiel a Deus. A conversão deve envolver uma decisão deliberada e inteligente da vontade humana que nunca deveria ser mudada. Não é suficiente construir uma fogueira; alguém deve colocar o combustível para que ela siga queimando. Não é suficiente se tornar um Cristão; devemos crescer na vida Cristã e permanecer fiel até a morte. “Mas aquele que perseverar até o fim será salvo” (Mateus 24: 13). Aquele que finaliza o percurso e vence a corrida recebe o prêmio. Se alguém realmente deseja ser um crente fiel, nada será grande o suficiente para bloquear o seu caminho (Romanos 8: 35-39). Dificuldades podem aparecer; perseguições podem vir, mas ele permanecerá firme. O Cristão fiel não será como um cascalho, mas será como uma montanha inamovível. Ele não será como a erva daninha, mas como a árvore plantada junto às águas. Ele não será como um vaga-lume, mas como um farol. Jesus disse: “Sê fiel até a morte, e dar-te-ei a coroa da vida” (Apocalipse 2: 10).

Muitas pessoas começaram a vida Cristã como crentes entusiastas. Seus corações transbordavam de devoção e lealdade a Seu Mestre. De alguma forma, porém, durante os anos que se seguiram, algo aconteceu. O zelo se perdeu; o entusiasmo esvaneceu. Corações ardentes se tornaram mornos. Parece que eles entraram pela porta da frente da Igreja, mas logo fugiram pela porta dos fundos, na inatividade. É por isto que é tão importante manter a porta dos fundos da Igreja fechada, quanto manter a porta da frente aberta. Para a Igreja é tão importante reter quanto alcançar. Jesus alertou: “Ninguém que lança a mão do arado e olha para trás é apto para o reino de Deus” (Lucas 9: 62).

Fidelidade é um fruto do Espírito. Fidelidade constante requer constante dependência de Cristo. A fidelidade não é agarrar-se desesperadamente, mas sim o descansar sobre Suas mãos. Seja fiel um momento de cada vez. Faça a próxima coisa que você sabe que Deus deseja que você faça.

8. Mansidão. Mansidão, o oitavo fator incluído no fruto do Espírito (Gálatas 5: 22, 23), é traduzido do grego praotes, que ocorre nove vezes no Novo Testamento (1 Coríntios 4: 21; 2 Coríntios 10: 1; Gálatas 5: 23; 6: 1; Efésios 4: 2; Colossenses 3: 12; 1 Timóteo 6: 11; 2 Timóteo 2: 25; Tito 3: 2.) Palavras gregas relacionadas são praos, que ocorre uma vez (Mateus 11: 29); praus, que ocorre três vezes (Mateus 5: 5; 21: 5; 1 Pedro 3: 4); prautes, que ocorre três vezes (Tiago 1: 21; 3: 13; 1 Pedro 3: 15). Aquele que é manso é moderado de temperamento, gentil, amável, polido, cortês, considerado pelos outros e tardio em irar-se. Ele não é orgulhoso, atrevido, altivo, arrogante, pretencioso, convencido, autoritário, dominador nem vingativo. Ele não é “metido”, “espaçoso” nem “perde a cabeça”. Paulo escreveu, “O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece, não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal” (1Coríntios 13: 4, 5). Os Cristãos devem ser humildes em sua atitude entre si mesmos; eles devem ser mansos na sua atitude em relação ao demais.

Nosso Salvador é um exemplo de mansidão. Ele disse: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para a vossa alma” (Mateus 11: 28, 29). (2Coríntios 10: 1; Isaías 53: 7; 1Pedro 2: 21-23; Mateus 21: 5) Referindo-se à mansidão, singeleza e humildade de nosso Senhor, Paulo exortou: “Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade” (Colossenses 3: 12). Tiago escreveu: “Sabeis isto, meus amados irmãos; mas todo o homem seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar. Porque a ira do homem não opera a justiça de Deus. Pelo que, rejeitando toda imundícia e acúmulo de malícia, recebei com mansidão a palavra em vós enxertada, a qual pode salvar a vossa alma” (Tiago 1: 19-21). Pedro disse que o adorno do Cristão deveria ser “o homem encoberto no coração, no incorruptível trajo de um espírito manso e quieto, que é precioso diante de Deus” (1Pedro 3: 4). Paulo escreveu a Tito que instruísse os crentes de Creta “que a ninguém infamem, nem sejam contenciosos, mas modestos, mostrando toda mansidão para com todos os homens” (Tito 3: 2).

Paulo instruiu a Timóteo de que, como “homem de Deus”, ele deveria “seguir a justiça, a piedade, a fé, o amor, a paciência, a mansidão” (1Timóteo 6: 11). Ele disse: “E ao servo do Senhor não convém contender, mas, sim, ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor; instruindo com mansidão os que resistem, a ver se, porventura, Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade.” (2Timóteo 2: 24, 25). A mansidão deveria caracterizar o crente em todas as suas obras para o Senhor. “Antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a qualquer que vos pedir a razão da esperança que há em vós, tendo uma boa consciência, para que, naquilo em que falam mal de vós, como de malfeitores, fiquem confundidos os que blasfemam do vosso bom procedimento em Cristo, porque melhor é que padeçais fazendo o bem ( se a vontade de Deus assim o quer) do que fazendo o mal” (1Pedro 3: 15-17). Quando um crente tropeça, outros crentes devem levantá-lo com espírito de mansidão. “Irmãos, se algum homem chegar a ser surpreendido nalguma ofensa, vós, que sois espirituais, encaminhai o tal com espírito de mansidão, olhando por ti mesmo, para que não sejas também tentado” (Gálatas 6: 1). Nosso Senhor prometeu, “Bem-aventurados os mansos: porque eles herdarão a terra” (Mateus 5: 5; Salmos 37: 11).

A mansidão, um fruto do Espírito, é uma característica amável de nosso Salvador. Mediante Seu poder, o Espírito Santo, Jesus procura produzir mansidão dentro da mente e do coração do crente que se entrega a Ele.

9. Domínio Próprio. O nono e último fator mencionado por Paulo como pertencente ao fruto do Espírito (Gálatas 5: 22, 23) é a temperança ou domínio próprio. A temperança é traduzida da palavra grega egkrateia, autorestrição ou continência. A palavra grega ocorre quatro vezes no Novo Testamento (Atos 24: 25; Gálatas 5: 23; 2Pedro 1: 6 duas vezes). Palavras relacionadas a esta são egkrateuomai, que ocorre duas vezes (1Coríntios 7: 9; 9: 25) e egkrates, que ocorre uma vez (Tito 1: 8). Em muitas versões, egkrateia é traduzida “domínio próprio”.

Domínio próprio é a vida do crente cheia do Espírito e governada por Cristo em relação aos instintos e desejos dados por Deus, como a fome, sede e sexo. A justiça é o resultado quando os instintos concedidos por Deus encontram uma realização adequada. O pecado é o resultado quando os poderes da mente e do corpo expressam-se de uma maneira errada. Os desejos dados por Deus não são pecaminosos. Eles se tornam pecaminosos somente quando são mal direcionados ou mal aplicados. As obras da carne incluem fornicação, impureza, lascívia, bebedeira e glutonarias (Gálatas 5: 19-21). Em contraste, o fruto do Espírito inclui a temperança (Gálatas 5: 23).

Pedro exortou aos Cristãos a adicionar “à ciência, a temperança; e à temperança, a paciência; e à paciência, a piedade” (2Pedro 1: 6). Paulo listou a temperança ou domínio próprio como uma qualificação para o bispo ou ancião (Tito 1: 8). Ele disse que os homens mais velhos deveriam ser “sóbrios, graves, prudentes, sãos na fé, no amor e na paciência” (Tito 2: 2). Paulo comparou o crente a um atleta que deve exercitar o domínio próprio para que esteja preparado para correr a prova. De acordo com a versão Revista e Atualizada, Paulo escreveu: “Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. Todo atleta em tudo se domina; aqueles, para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, a incorruptível” (1Coríntios 9: 24, 25; 2Timóteo 2: 1- 7 ARA).

Paulo disse aos crentes em Corinto que deveriam exercitar o autocontrole e manter a pureza moral porque eles pertenciam a Deus. De acordo com a versão Revista e Atualizada, ele escreveu: “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas. Os alimentos são para o estômago, e o estômago, para os alimentos; mas Deus destruirá tanto estes como aquele. Porém o corpo não é para a impureza, mas, para o Senhor, e o Senhor para o corpo. Deus ressuscitou o Senhor e também a nós pelo seu poder. Não sabeis que os vossos corpos são membros de Cristo? E eu, porventura, tomaria os membros de Cristo e os faria membros de meretriz? Absolutamente, não. Ou não sabeis que o homem que se une à prostituta forma um só corpo com ela? Porque, como se diz, serão os dois uma só carne. Mas aquele que se une ao Senhor é um espírito com ele. Fugi da impureza. Qualquer outro pecado que uma pessoa cometer é fora do corpo; mas aquele que pratica a imoralidade peca contra o próprio corpo. Acaso, não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por preço. Agora, pois, glorificai a Deus no vosso corpo” (1Coríntios 6: 12-20 ARA).

Algumas coisas deveriam ser totalmente excluídas da vida de uma pessoa. Com respeito a tais fatores como bebidas alcoólicas, fumo, heroína, maconha, etc, deve-se exercitar total abstinência. Estas coisas não deveriam encontrar lugar na vida do crente. Muitos fatores, como comer, dormir, trabalhar e brincar, devem estar incluídos na vida de uma pessoa. Com respeito a estas atividades, deve-se exercitar a moderação; não se deve permitir o excesso nestas atividades. Algumas ervas daninhas são apenas plantas em lugares errados. Uma haste de milho crescendo num canteiro de flores seria uma erva daninha. Uma flor crescendo num campo semeado de milho estaria no lugar errado e seria arrancada pelo arado. Estas ervas daninhas não precisam ser destruídas; apenas ser transplantadas e então serão transformadas em plantas úteis. Transplante a haste de milho para a plantação de milho e haverá manhã gloriosa para o jardim das flores, e não será mais erva daninha. Muitas coisas corretas na vida se tornam incorretas porque estão no lugar errado. Fora do lugar, elas estão erradas; no lugar apropriado, tudo estará bem com elas. Possuindo domínio próprio ou temperança, a vida do crente é cheia de flores da justiça, não ervas do pecado. Cada atividade legítima e fator ocupa sua própria posição e proporção na vida.

O crente somente pode possuir o real domínio próprio quando ele é controlado pelo Senhor Jesus Cristo. Autocontrole é um fruto do Espírito e resulta quando Cristo habita dentro do Cristão através do Seu Espírito. O Senhor vitorioso habilita o crente a ser um vencedor.

Print Friendly
Posted in Soteriologia, Teologia Sistemática and tagged , .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Efetue o calculo! *