Batismo – Capítulo 56

O batismo Cristão é a imersão de um crente na água. Ele simboliza a sua crença de que Cristo morreu por seus pecados, foi sepultado e levantou-se novamente. Ele indica que o crente entrou num relacionamento pessoal e vital com Cristo, e que tomou para si mesmo os benefícios da morte sacrificial de Cristo. O batismo é aquele ritual simbólico em que o crente retrata o fato de que sua velha natureza foi posta na morte e sepultada, e que ele se levanta em novidade de vida em Cristo.

I. Autoridade para o Batismo

O batismo é um dos três elementos da conversão. O arrependimento do pecado e a fé em Cristo deve estar acompanhado pelo batismo em Cristo. Sem o batismo, o processo da conversão está incompleto. O batismo Cristão não é uma disposição opcional; é um requisito divino.

1. Uma Ordenança de Cristo. O batismo é uma ordenança de Cristo. A ordem para batizar está incluída na Grande Comissão. Cristo instruiu seus discípulos a ensinar e batizar todas as nações. A ordem de nosso Senhor de que os pecadores deveriam ser batizados é tão obrigatória quanto o Seu mandamento de que eles deveriam ensinar. “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado” (Marcos 16: 15, 16). “E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos. Amém!” (Mateus 28: 18- 20).

Tendo recebido toda a autoridade, nosso Senhor autorizou Seus discípulos a levar Sua mensagem de salvação a todas as nações. Em cumprimento às Suas instruções, os discípulos missionários serviram como representantes d’Ele. Eles receberam Sua autoridade para ensinar e batizar. A expressão “em nome de” significa “na autoridade de” ou “como agente de” Os discípulos portanto, batizaram “em nome de Jesus Cristo” (Atos 2: 38) e “em nome do Senhor”(Atos 10: 48). Eles ensinaram e batizaram com autoridade recebida de Jesus, Deus e o Espírito Santo. A expressão “em nome de Jesus Cristo” transmite a mesma declaração de autoridade que fazem as palavras de Mateus 28: 19. Este verso não ensina que os crentes devam ser imersos três vezes durante o ato batismal. Jesus morreu, foi sepultado e ressuscitou uma única vez.

2. Exemplo da Igreja do Novo Testamento. O exemplo da Igreja do Novo Testamento indica o batismo como uma ordenança que deve ser observada pelos crentes hoje. Os apóstolos e os primeiros discípulos ensinaram e praticaram o batismo. Os membros das igrejas do Novo Testamento eram crentes batizados.

Atos 2: 38, 41 Três mil no Pentecostes
Atos 8: 12 Pessoas de Samaria
Atos 8: 13 Simão o feiticeiro
Atos 8: 38, 39 O eunuco etíope
Atos 9: 18; 22: 16 Saulo de Tarso
Atos 10: 47, 48 Cornélio
Atos 16: 14, 15 Lídia
Atos 16: 30-34 O carcereiro de Filipos
Atos 18: 8 Crispo em Corinto
Atos 19: 5 Crentes de Éfeso
Romanos 6: 3-5 Cristãos em Roma
Gálatas 3: 27 Cristãos na Galácia
Colossenses 2: 12 Cristãos Colossenses
1 Pedro 3: 21 Cristãos espalhados na Ásia

Atos dos Apóstolos narra sobre pecadores se tornando Cristãos. As epístolas foram escritas para os homens que já haviam sido batizados e feitos Cristãos. Não é surpresa, portanto, que o batismo seja mencionado com mais frequência em Atos do que nas epístolas.

3. Exemplo de Jesus. A importância do batismo é revelada pelo fato de que Jesus pediu batismo (Mateus 3: 13-17). O batismo de nosso Senhor por João marcou o início de Seu ministério terreno. A sua imersão no Rio Jordão apontava para Sua futura imersão no sofrimento e morte (Mateus 20: 22, 23; Lucas 12: 50). Jesus levantou-se das águas do batismo e caminhou na sombra da cruz. O batismo dos crentes aponta para a morte consumada de Cristo, Seu sepultamento e ressurreição.

II. Maneira de Batizar

1. Batismo Significa Imersão. Aspergir ou derramar água sobre uma pessoa não é o batismo Bíblico. A palavra “batismo” significa imersão. É traduzida da palavra grega baptizo, mergulhar, imergir, afundar. Ela nunca é traduzida como “aspergir” ou “derramar”. A palavra grega para aspergir é rhantizo, e para derramar é ekcheo. É significativo que a Igreja Ortodoxa Grega nunca tenha usado nada além da imersão. Na linguagem grega, a linguagem do Novo Testamento, batismo significa imersão.

2. Revelado pelos Batismos Bíblicos. Os batismos bíblicos foram imersões na água. Este fato está indicado pelo fato de que João realizou este serviço sagrado onde havia muitas águas. “Ora, João batizava também em Enom, junto a Salim, porque havia ali muitas águas” (João 3: 23). Se João Batista tivesse aspergido água sobre as pessoas que vinham até ele, ele não teria necessidade de buscar por um lugar onde houvesse muitas águas. Jesus foi imergido no Rio Jordão. “E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água” (Mateus 3: 16). O etíope foi imerso por Felipe. Ambos desceram até a água, e ambos saíram da água. “E mandou parar o carro, e desceram ambos à água, tanto Filipe como o eunuco, e o batizou. E, quando saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou a Filipe, e não o viu mais o eunuco; e, jubiloso, continuou o seu caminho” (Atos 8: 38, 39).

3. Provado Pelo Que o Batismo Simboliza. O batismo é um ritual externo que simboliza sepultamento e ressurreição. Somente a imersão retrata aquilo que o batismo simboliza. Aspersão ou derramamento não figura o sepultamento e ressurreição de nenhuma forma. “De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida. Porque, se fomos plantados juntamente com ele na semelhança da sua morte, também o seremos na da sua ressurreição” (Romanos 6: 4, 5). “Sepultados com ele no batismo, nele também ressuscitastes pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dos mortos” (Colossenses 2: 12).

O batismo e imersão são palavras substituíveis. Onde quer que apareça a palavra “batismo” na Bíblia, a palavra “imersão” pode substituí-la. Este fato não é verdade quanto às palavras “aspergir” e “derramar”. O significado do texto é preservado se alguém ler: “Nós fomos sepultados com ele pela imersão”. O verso estaria sem sentido se nós lêssemos: “Nós fomos sepultados com ele pela aspersão”. A aspersão e o derramamento não retratam um sepultamento. Somente a imersão apresenta uma figura de sepultamento e ressurreição.

4. Autoridades Admitem que o Batismo é Imersão. Os lexicógrafos, autores de dicionários e enciclopédias bíblicas, reformadores, historiadores da igreja, comentaristas da Bíblia e outros estudiosos admitem que o batismo bíblico é a imersão. Eles reconhecem que os batismos do Novo Testamento eram imersões em água.

Lexicógrafos, incluindo H. G. Liddell e Robert Scott, Greek-English Lexicon (Oxford, 1843), Joseph Henry Thayer, A Greek-English Lexicon of the New Testament (New York, 1886), Samuel Bagster’s The Analytical Greek Lexicon (New York: Harpers), Sophocles, Lexicon of Greek Usage in the Roman and Bysantine Periods, e muitos outros, são unânimes no posicionamento de que a palavra grega batismo significa “merguhar, imergir, submergir, por sob a água”. O professor Goodwin da Universidade de Harvard disse:

O significado clássico de baptizo, que raramente ocorre, e o uso comum bapto, é mergulhar (literalmente e metaforicamente), e eu nunca ouvi em lugar algum que tenha outro significado. Da mesma maneira, eu certamente nunca vi um léxico que apresente aspergir ou derramar, como o significado desta palavra. Eu devo me permitir perguntar porque sou tão frequentemente questionado sobre esta questão, a qual parece-me apresentar uma resposta perfeitamente evidente. (Strong, Op. Cit., pág 933.)

H. Strong refere-se ao apêndice da Versão de Mateus da União Bíblica Americana, a qual foi editada por Thomas J. Conant (1802-1891). Nesta obra, Conant lista exemplos do uso da palavra batismo

Delineada por escritores em quase todos os setores da literatura e ciência; por poetas, retóricos, filósofos, críticos, historiadores, geógrafos; de escritos sobre agricultura, medicina, ou história natural, em gramática, em teologia; de quase todas as formas e estilos de composição, romances, cartas, orações, fábulas, odes, epigramas, sermões, narrativas; de escritores de várias nações e religiões, Pagãos, Judeus, e Cristãos, pertencentes a muitos países e através de uma longa sucessão de eras.

Em todos, a palavra mantém o seu significado sem alteração. Da era mais remota da literatura grega até o seu fim, um período de cerca de dois mil anos, nem um exemplo foi encontrado no qual a palavra tivesse qualquer outro significado. Não há um exemplo no qual ela possibilite fazer uma aplicação parcial de água por aspersão ou borrifo, ou limpar, purificar, sem o ato literal de imersão com o significado de limpeza ou purificação. (Ibid, pág 933.)

A verdade de que o batismo significa imersão e que a imersão era o modo de batismo do Novo Testamento está afirmada em muitos dicionários Bíblicos, por exemplo, William Smith, A Dictionary of the Bible; e James Hastings, A Dictionary of the Bible (New York, Scribners, 1903), e A Dicionary of Christ and the Gospels (New York: Scribners, 1906). Estes fatos são apresentados também em Hastings, Encyclopaedia of Religion and Ethics ( New York: Scribners, 1910, Vol. II, pág. 375, 378); Encyclopaedia Britannica (Chicago, 1958, Vol. 3, pág. 83); Encyclopedia Americana (New York, 1958, Vol. 3, pág. 218); Edinburgh Encyclopedia; Catholic Enciclopedia; The New Schaff-Herzog Encyclopedia of Religious Knowledge; Encyclopedia de Brande; Cyclopedia of Biblical Literature de John Kitto; e outros. Por exemplo, a The Catholic Enciclopedia (New York: Robert Appleton Company, 1907) se posiciona assim:

A forma mais antiga usualmente aplicada foi inquestionavelmente a imersão. Isto não é evidente somente pelos escritos dos Pais e dos primeiros rituais de ambas as igrejas Latina e Oriental, mas também pode ser colhido das cartas de São Paulo, que falam de batismo como um banho (Efésios 5: 26; Romanos 6: 4; Tito 3: 5). Na Igreja Latina, a imersão parece ter sido preservada até o século doze. Depois deste tempo é encontrado em alguns lugares quando muito até o século dezesseis. Infusão e aspersão, porém, se tornaram comuns no século treze e gradualmente prevaleceram na Igreja Ocidental. (Vol. II, pág. 261, 262.)

Martinho Lutero reconheceu a imersão como a maneira correta de batismo. Philip Schaff, um historiador da igreja, observou: “Lutero buscou a restauração da imersão, mas sem resultado” (History of the Christian Church, Vol. II, pág. 251). Martinho Lutero escreveu: “O batismo é um sinal de ambos morte e ressurreição. Motivado por esta razão, eu gostaria que aqueles que são batizados sejam também completamente mergulhados na água, como a palavra e o dogma significam” (Babylonian Captivity of the Church, Seção 103). Embora João Calvino, um outro líder da Reforma, cresse que outras formas de batismo eram tão válidas quanto a imersão, ele admitiu que a imersão era a maneira Bíblica. Ele escreveu: “A própria palavra baptize, entretanto, significa imergir; e é certo que a imersão era a prática da Igreja primitiva” (Institutes of the Christian Religion. Livro IV, Capítulo XV). John Wesley, fundador do Metodismo, praticou o batismo por imersão. Comentando Romanos 6: 4, em seu Explanatory Notes on the New Testament (1755), ele escreveu: “Nós somos sepultados com Ele – fazendo alusão à maneira primitiva de batizar por imersão”.

Historiadores da Igreja registram o fato de que a imersão foi a maneira de batismo no Novo Testamento. Philip Schaff escreveu: “A forma usual do ato era a imersão, como é evidente a partir do significado original do grego baptizein e baptisma” (Op. Cit., Vol. I, pág 122). Johann Neander (1789-1850) escreveu: “Com respeito à forma de batismo, ele era, de conformidade com a instituição original e o sentido original do símbolo, executado por imersão, como um sinal do completo batismo no Espírito Santo, sendo inteiramente impregnado pelo mesmo” (Church History). George P. Fisher, em seu Beginnings of Christianity (1877), observou: “Batismo, agora de comum acordo entre os estudiosos, era comumente administrado por imersão”. Mosheim, o historiador da Igreja Luterana alemã (1694-1755), escreveu: “O batismo era realizado no primeiro século pela imersão total do corpo” (Ecclesiastical History. Londres, 1765). W. J. Conybeare e J. S. Howson, em sua obra clássica, The Life and Epistles of St. Paul, fizeram o seguinte comentário de Romanos 6: 4, “Esta passagem não pode ser compreendida a menos que se tenha em mente que o batismo primitivo era por imersão”.

A Igreja Ortodoxa Grega sempre praticou a imersão. Na língua grega, obviamente, a palavra batismo significa imersão. Por muitos séculos, a Igreja Católica Romana também praticou a imersão. Alguns dos primeiros edifícios erguidos pela Igreja Romana incluíram o lugar para se efetuar o batismo. A aspersão ou efusão começou a substituir a imersão à medida que a igreja gradualmente deixava os ensinos da Bíblia. A aspersão, a princípio, era usada somente em casos excepcionais. Séculos mais tarde, a aspersão se tornou uma prática comum. No princípio, a aspersão foi aplicada somente nos casos de batismo de pessoas fracas ou doentes. Estes casos eram chamados “clínicos” ou batismos de acamados. Philip Schaff escreveu:

A validade deste batismo era inclusive posta em dúvida por muitos no terceiro século. De acordo com a lei eclesiástica o batismo clínico no mínimo incapacitava para o ofício do clero. Efusão e aspersão ainda eram excepcionais no nono século de acordo com Walafrid Strabo (De Rel. Eccl., c. 26), mas eles fizeram um processo gradual com o crescimento do batismo infantil, como o modo mais conveniente, especialmente no clima do norte, e passou para o uso comum no ocidente no fim do século treze. (Op. Cit., Vol. II, pág. 249, 250)

5. A Maneira do Batismo é Importante. Quando os defensores da aspersão ou efusão são confrontados com a irrefutável prova Bíblica do batismo por imersão, eles recorrem à teoria de que a forma do batismo não tem importância. Eles afirmam que qualquer forma pode ser usada desde que o coração do crente seja sincero. Esta teoria não tem mérito; é uma maneira de fugir do assunto.

A falácia desta teoria é facilmente reconhecida quando seu raciocínio é aplicado a outros símbolos. A bandeira de uma nação é também um símbolo, é importante por causa do país que ela representa. Alguém poderia dizer que a identidade do tecido exposto no mastro seja sem importância, apenas que o coração do cidadão esteja cheio de patriotismo. Isto não é verdade. A estrutura da bandeira é de maior importância por causa das coisas que ela representa. Ninguém pode alterar uma bandeira sem alterar seu significado. E se o raciocínio dos que advogam a aspersão fosse aplicado à Santa Ceia? Se alguém pode mudar a maneira do batismo, porque não poderia mudar também a maneira da Santa Ceia? Ao invés de ter pão, porque não poderia ser usado outro tipo de alimento? Em lugar de usar o fruto da vide, porque não usar outro tipo de bebida? As duas grandes ordenanças simbólicas da Igreja, batismo e Santa Ceia, não podem ser alteradas. A forma exterior destas ordenanças não pode ser alterada pois representam realidades espirituais. É importante que o batismo por imersão seja imutável. A imersão do crente na água retrata seu sepultamento e ressurreição com Cristo em novidade de vida.

III. Condições Essenciais para o Batismo

O batismo deve ser precedido pelo arrependimento e fé. Aquele que está para ser batizado deve primeiro dar as costas ao pecado através do arrependimento e voltar sua face para Cristo mediante a fé. Quando Pedro disse: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado” (Atos 2: 38), ele ensinou que o arrependimento deve preceder o batismo. Quando Jesus disse: “Quem crer e for batizado será salvo” (Marcos 16: 16), Ele mostrou que o homem deve crer antes de ser batizado. O batismo é o testemunho externo do pecador de que ele é um crente arrependido. Como o sepultamento da velha vida, o batismo revela que o crente morreu para sua velha natureza. Como entrada em Cristo, o batismo revela que o pecador arrependido exerceu a fé em Cristo.

Alguns homens parecem ter uma ideia de que o batismo é mágico. Eles indicam que há uma virtude sobrenatural na própria água, separado de qualquer significado que possa ter para aquele que está sendo batizado. De acordo com este pensamento, se uma pessoa foi batizada e não compreendeu seu significado, esta ainda receberá os benefícios espirituais deste ritual. A Bíblia claramente ensina que a imersão na água tem um sentido espiritual somente se o ritual simbólico tiver um significado apropriado para quem está sendo batizado.

IV. Sujeito do Batismo

Os sujeitos adequados para o batismo são os indivíduos que se converteram a Cristo e que tenham indicado o desejo de se arrependerem do pecado e entrarem numa relação vital com Cristo.

Não existe uma idade mínima exata que possa ser estabelecida para o batismo porque os indivíduos diferem no desenvolvimento pessoal, treinamento religioso e habilidade para entender a mensagem do evangelho. É certo, porém, que os que os sujeitos do batismo devem ser maduros o suficiente para entender o significado do batismo.

Os bebês não podem ser biblicamente batizados. O batismo infantil não é válido. As crianças não podem possuir as condições essenciais para o batismo, que são, o arrependimento e a fé. A conversão é uma questão pessoal; a conversão por representante não existe. Os pais não podem exercer fé como substitutos da fé de um filho. O batismo de crianças e o batismo pelos mortos são inúteis e sem valor. O batismo infantil é prejudicial. Ele dá uma falsa segurança para o indivíduo mais tarde. Indica que uma mudança de coração é desnecessário. O batismo infantil não é ensinado na Bíblia. Não existe exemplo desta prática na Igreja do Novo Testamento.

V. Resultados do Batismo

O batismo é o ato externo mediante o qual o crente revela sua obediência a Cristo e o seu desejo de entrar nos benefícios da salvação possibilitados pelo sacrifício de Cristo. Como o arrependimento e a fé, o batismo nos salva ( 1 Pedro 3: 21) porque nos leva para a posição exigida a fim de que Jesus possa nos salvar.

1. Remissão dos Pecados. Um dos resultados do batismo é a remissão dos pecados. O perdão dos pecados é possibilitado pelo sacrifício de Cristo. (Romanos 3: 25; 1 João 1: 7; Apocalipse 1: 5). A remissão dos pecados é efetivada na vida do pecador pelo arrependimento, fé e batismo. “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para perdão dos pecados” (Atos 2: 38). “E, agora, por que te deténs? Levanta-te, e batiza-te, e lava os teus pecados, invocando o nome do Senhor” (Atos 22: 16). Assim como os egípcios foram afogados no Mar Vermelho (Êxodo 14: 13-31), assim os pecados dos crentes são afogados nas águas do batismo ( 1 Coríntios 10: 1, 2, 11).

2. Entrada em Cristo. Os crentes são batizados em Cristo. “Porque todos quantos fostes batizados em Cristo já vos revestistes de Cristo” (Gálatas 3: 27). Eles adquirem uma nova posição diante de Deus em Cristo. Através da conversão, o homem estabelece um relacionamento pessoal e vital com Cristo. O pecador entra em Cristo através da conversão; Cristo entra no crente através do Seu poder. O pecador se torna um crente, um renovo, um corpo, um edifício e uma noiva. O crente se lança sobre Cristo, seu Sacrifício. O ramo é enxertado em Cristo, a Videira (João 15: 1-5). O corpo é unido a Cristo, o Cabeça (Efésios 1: 22, 23; 1 Coríntios 11: 3). O edifício é construído sobre Cristo, o Fundamento (Efésios 2: 20-22; 1 Pedro 2: 5). A noiva é unida a Cristo, o Noivo ( Efésios 5: 23-32).

O relacionamento vital do crente com Cristo foi ilustrado pelo místico dominicano, Johannes Tauler (1300-1361), em seu famoso poema “Meu Senhor”.

Como o noivo para sua escolhida,
Como o rei para seu reino,
Como o guarda sobre o castelo,
Como o piloto para o leme,
Assim, Senhor, Tu és para mim.

Como a fonte no jardim,
Como a vela no escuro,
Como o tesouro no cofre,
Como o maná na arca,
Assim, Senhor, Tu és para mim.

Como o rubi no seu engaste,
Como o mel no seu favo,
Como a luz dentro da lanterna,
Como o pai no lar,
Assim, Senhor, Tu és para mim.

Como a luz do sol nos céus,
Como a imagem no espelho,
Como o fruto na figueira,
Como o orvalho na grama,
Assim, Senhor, Tu és para mim.

– Johannes Tauler

Print Friendly
Posted in Soteriologia, Teologia Sistemática and tagged , .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Efetue o calculo! *