A obra de Cristo através de seu espírito – Capítulo 49

A obra do Espírito na salvação do Novo Testamento é a obra do Cristo ressuscitado. Em todas as gerações da era da Igreja, Cristo continua a obra na vida dos crentes devotados através de Seu Espírito.

O Espírito Santo é o poder de Deus. Os termos poder e espírito podem ser usados indistintamente. Deus executa Sua poderosa obra através do Seu poder. Através do Seu Espírito Deus criou o universo (Jó 26: 13) e deu vida à humanidade (Jó 33: 4). Através do Seu Espírito, Deus deu força a Sansão (Juízes 14: 6; 15: 14), sabedoria para Salomão e inspiração aos escritores das Sagradas Escrituras (2 Pedro 1: 21). O Espírito de Deus deu vida a Jesus (Lucas 1: 35; Mateus 1: 20) e o habilitou a operar milagres (Mateus 12: 28; João 3: 34). Através deste poder, Deus ressuscitou a Jesus dentre os mortos para a imortalidade (Romanos 1: 4; Efésios 1: 19, 20). Estas obras divinas foram diferentes em propósito, mas um único Espírito de Deus foi o meio imutável para executa-las.

I. O Espírito Concedido por Cristo

Quando o Cristo ressuscitado ascendeu ao céu e foi exaltado à destra de Deus, o Pai fez de Seu Filho o canal pelo qual o Seu Espírito transformador seria usado na salvação dos pecadores.

Deus sozinho criou, sustenta e cuida do universo físico. Deus opera todas as obras da salvação, porém, através de Seu Filho, Jesus Cristo. Jesus é o único mediador entre Deus e a raça humana. Deus concede o Seu Espírito sobre os crentes somente através de Cristo. Todas as criaturas têm o Espírito providencial de Deus (Salmos 104: 30), mas somente os Cristãos têm o Seu Espírito redentor. Toda a humanidade pode acessar diretamente o Espírito providencial de Deus; o contato com o Espírito redentor é somente através de Cristo.

Portanto, Deus fez de Seu Filho, o guardião e o canal de Seu poder em relação à salvação do homem. Cristo explicou aos discípulos que quando Ele fosse exaltado à destra de Deus, Ele receberia o Espírito de Deus e então lhes concederia. “Mas, quando vier o Consolador, que eu da parte do Pai vos hei de enviar, aquele Espírito da verdade, que procede do Pai, testificará de mim” (João 15: 26). “Todavia digo-vos a verdade: que vos convém que eu vá; porque, se eu não for, o Consolador não virá a vós; mas, se eu for, enviá-lo-ei” (João 16: 7). “E eis que sobre vós envio a promessa de meu Pai” (Lucas 24: 49).

O acontecimento histórico deste evento está registrado em Atos 2: 32, 33 “Deus ressuscitou a este Jesus, do que todos nós somos testemunhas. De sorte que, exaltado pela destra de Deus e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vós agora vedes e ouvis”. Cristo recebeu de Deus o Espírito e o outorgou sobre a Sua Igreja.

II. O Cristo que Habita em Nós

O Espírito Santo como mencionado em Atos e nas Epístolas, é o poder através do qual Cristo executa Sua obra de salvação. Sempre que o Espírito é mencionado como fazendo alguma obra durante a dispensação da Igreja, é o equivalente a dizer que Cristo está fazendo esta obra. O Cristo que habita em nós e o Espírito que habita em nós são expressões equivalentes. Nas cartas de Paulo, o Espírito é identificado como o poder de Cristo ou o Espírito de Cristo.

Filipenses 1: 19 O Espírito de Jesus Cristo
Romanos 8: 9 O Espírito de Cristo
Gálatas 4: 6 O Espírito de seu Filho
Romanos 8: 2 O Espírito de vida, em Cristo Jesus
2 Coríntios 3: 17 O Senhor é Espírito

As escrituras que dizem que o Espírito está dentro do crente ensinam a mesma verdade ao afirmarem que Cristo está dentro do crente.

Espírito no Crente

João 14: 17 Espírito de verdade estará em vós
Romanos 8: 9 Espírito de Deus habita em vós
Romanos 8: 9 Se alguém não tem o Espírito
Romanos 8: 11 Espírito que em vós habita
Gálatas 4: 6 Enviou aos nossos corações o Espírito de seu Filho
1 Coríntios 3: 16 O Espírito de Deus habita em vós
1 Coríntios 6: 19 Templo do Espírito Santo
Efésios 2: 22 Morada de Deus no Espírito
2 Coríntios 1: 22 Penhor do Espírito em vossos corações
Efésios 5: 18 Enchei-vos do Espírito
João 7: 38, 39 Rios de água viva, disse ele do Espírito

Cristo no Crente

Gálatas 2: 20 Cristo vive em mim
João 15: 4 E eu, em vós
Apocalipse 3: 20 Entrarei e cearei com ele
Romanos 8: 9,10 Se Cristo está em vós
Colossenses 1: 27 Cristo em vós, esperança da glória
2 Coríntios 13: 5 Cristo em vós, exceto os reprovados
Efésios 3: 16, 17 Cristo habite em vossos corações
João 17: 21, 23, 36 Eu neles
João 14: 20- 23 Faremos nele morada
Efésios 1: 23 Seu corpo, daquele que cumpre
Gálatas 4: 19 Até que Cristo seja formado em vós

Estas escrituras nos instruem que Cristo habita no crente através do Seu poder e presença, que é o Espírito. Nosso Senhor expressou o mesmo pensamento quando Ele apresentou as duas colocações: “o Consolador … virá a vós” (João 16: 7) e “voltarei para vós” (João 14: 18). Em 1 João 3: 24 nós lemos: “…e nisto conhecemos que ele está em nós: pelo Espírito que nos tem dado”. As frases sinônimas a seguir ocorrem em Romanos 8: 9-11: O Espírito de Deus habita em vós; mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo; se Cristo está em vós; se o Espírito daquele que dos mortos ressuscitou a Jesus habita em vós. Estas frases são usadas indistintamente; elas expressam o mesmo pensamento. Em Efésios 3: 16 e 17 nós lemos “Para que, segundo as riquezas da Sua glória, vos conceda que sejais corroborados com poder pelo Seu Espírito no homem interior; para que Cristo habite, pela fé, no vosso coração…” Em outras palavras, o Cristo glorificado assentado à mão direita de Deus no céu, habita na vida dos crentes por meio do Seu Espírito.

É importante reconhecer que Cristo é superior ao Espírito. Cristo é uma pessoa; o Espírito é Seu poder. Cristo é o que faz a obra; o Espírito é o meio através do qual Ele opera. Por este motivo, a ênfase deve ser colocada sobre a doutrina da obra de Cristo através do Espírito, em vez da doutrina do Espírito como um pensamento à parte. A confusão surge quando a atenção está centralizada sobre um simples pensamento abstrato; a conversão surge quando a atenção está centralizada sobre uma pessoa gloriosa que está operando através do Seu poder e presença. A obra do Espírito é exaltar a Cristo. Jesus disse, “Porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará o que há de vir. Ele me glorificará, porque há de receber do que é meu e vo-lo há de anunciar” (João 16: 13, 14). Cristo é o sol; o Espírito o brilho do sol. Cristo é o dínamo; o Espírito a eletricidade. Cristo é a videira; o Espírito é o fluído vital, a seiva. Cristo é o objeto sendo fotografado; o Espírito é a luz viajando do objeto até o filme na câmera. O Espírito é o meio, mensageiro e condutor. Mantenha seus olhos sobre a face de seu Senhor glorificado e você será “transformado de glória em glória, na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor” (2 Coríntios 3: 18).

III. Atos do Cristo que Ascendeu

Os Atos dos Apóstolos são na verdade os atos do Cristo que ascendeu aos céus. Embora os Atos falem sobre Pedro e Paulo, Jerusalém e Antioquia, e a pregação do evangelho aos judeus e gentios, Cristo é a principal personagem neste livro. No Evangelho, Lucas contou tudo o que Jesus começou a fazer e ensinar até Sua ascensão ao céu (Atos 1: 1, 2). Em Atos, Lucas contou o que Jesus continuou a fazer e ensinar depois que Ele ascendeu ao céu.

Enviando o Seu Espírito para a vida dos discípulos, Cristo estava apto a continuar a obra neles. Durante seu ministério terreno Ele esteve com os Seus discípulos; durante Seu ministério celestial, Ele está dentro de Seus discípulos. Através do Seu Espírito, Cristo foi capaz de completar a Sua revelação da verdade para os discípulos, habilitá-los a lembrar dos eventos de Seu ministério terreno e escrever um registro permanente destas coisas nas escrituras do Novo Testamento. Através do Seu Espírito, Cristo deu poder aos Seus discípulos para operar milagres de maneira a confirmar suas palavras (Marcos 16: 20; Hebreus 2: 3, 4). Através de Seu poder, Cristo foi capaz de dirigir o curso de Sua Igreja de forma que ela cumprisse o propósito que Ele pretendia para ela. Através do Seu Espírito, Cristo foi capaz de transformar a vida dos discípulos. E que transformação! Paulo, o principal dos apóstolos, reconheceu: “Cristo vive em mim” (Gálatas 2: 20). Nosso Senhor converteu e transformou Paulo, e lhe revelou as doutrinas da salvação e os mistérios da dispensação da Igreja. Cristo trabalhou na vida de Paulo a cada passo do caminho. A vida de Cristo em Paulo realizou um grande sucesso espiritual no mundo do primeiro século.

IV. A Obra de Cristo Hoje

Nosso Senhor continua a operar em Sua Igreja hoje. Alguns homens acreditam que Cristo trabalhou com a Igreja primitiva até que Ele teve certeza de que ela teria um princípio bem-sucedido e então Ele a deixou por sua própria força e destino. No Pentecostes, nosso Salvador não deu corda na Igreja como num relógio esperando que de alguma forma ela continuasse a trabalhar até que Ele retorne. Se a Igreja é em tudo como um relógio, ela é como um relógio eletrônico, não como um mecânico. Alguém pode dar corda em um relógio mecânico e esquecer até que ele pare, mas um relógio eletrônico requer energia elétrica a cada segundo de funcionamento. Da mesma forma, a Igreja não tem poder e a vida cristã vitoriosa é impossível, a menos que se mantenha uma constante conexão com Cristo.

Os homens que ignoram a direção de Cristo para Sua Igreja através do Espírito falham em reconhecer a relação vital de Cristo com Seu povo. A Igreja não é uma organização; ela é um organismo. A Igreja não é uma instituição humana inanimada; é uma entidade viva tendo uma união orgânica com Seu Fundador e Guia. Jesus disse “sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mateus 16: 18). Cristo é o Fundador e o Construtor da Igreja. O seu sucesso é garantido pela certeza de quem está fazendo a obra. Os trabalhadores Cristãos são a tripulação do navio, mas Cristo permanece no leme guiando o curso de Sua Igreja. Um trabalhador planta, outro rega, mas ainda assim é o Senhor que dá o crescimento (1 Coríntios 3: 6). O Senhor continua a acrescentar à Igreja diariamente os que hão de se salvar (Atos 2: 47).

A questão é: “Jesus trabalha através de Seu Espírito na Igreja de hoje?” Esta pergunta é respondida afirmativamente por três verdades Bíblicas: 1) Jesus trabalha na Igreja hoje; 2) O Espírito Santo é o poder através do qual Jesus opera; 3) Promessas do Espírito são endereçadas a todos os crentes.

Jesus prometeu, “E eis que eu estou convosco todos os dias, até o fim do mundo” (Mateus 28: 20). A compreensão deste verso é “até a consumação dos séculos”. Nosso Senhor estava fazendo uma falsa promessa? Jesus fez esta promessa sabendo que quando as coisas começassem a correr bem, Ele escaparia quando ninguém estivesse olhando? Não, Jesus quis dizer exatamente o que disse. A obra de nosso Salvador na Igreja não estava limitada a alguns poucos anos e a um pequeno grupo de pessoas durante o primeiro século. Cristo continua trabalhando em Sua Igreja em toda a era da igreja. Cristo pode ter mudado a maneira de trabalhar de um século para outro, mas Ele nunca mudou o fato de Sua obra. O trabalho de Cristo em Sua igreja através do Espírito é uma realidade atual bem como um fato histórico. O Pentecostes não foi o final da obra de Cristo através de Seu espírito, foi simplesmente o princípio.

As promessas do Espírito foram dirigidas a todos os crentes. Jesus disse “E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre, o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, por que não o vê, nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco e estará em vós” (João 14; 16, 17). A obra do Espírito não estava limitada a uma geração; mas habitaria na Igreja para sempre. As palavras de Pedro no Pentecostes foram dirigidas aos homens de todas as eras da Igreja. Ele disse: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para perdão dos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo. Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos e a todos os que estão longe: a tantos quantos Deus, nosso Senhor, chamar” (Atos 2: 38, 39). Todo pecador que se arrepende e é batizado entra em Cristo; ele está em posição de receber o dom do Espírito Santo de Deus. Esta promessa não estava limitada aos homens que ouviram as palavras de Pedro. Foi prometido “a vós, a vossos filhos e a todos os que estão longe: a tantos quantos Deus, nosso Senhor, chamar”. Isto inclui a você e a mim. Isto inclui todas as nações e gerações da era da Igreja.

V. Dons e Fruto do Espírito

A teologia do Novo Testamento faz distinção entre dons do Espírito e fruto do Espírito. Dons do espírito foram habilidades sobrenaturais outorgadas aos trabalhadores Cristãos para que fizessem Sua obra. O fruto do Espírito é a semelhança de Cristo produzida na vida do crente através da habitação de Cristo nele mediante Seu Espírito. Dons do Espírito estavam associados com o que os Cristãos faziam, fruto do Espírito estava associado ao que eles se tornavam. Dons do Espírito eram externos e temporários; fruto do Espírito era interno e permanentes. Possuir dons do Espírito era opcional; ter o fruto do Espírito era essencial. Dons do Espírito, portanto, eram inferiores ao fruto do Espírito.

Existe uma diferença entre o “dom do Espírito” (Atos 2: 38) e “os dons do Espírito” (1 Coríntios 12: 4-13). O dom do Espírito Santo é para todo crente; é o dom de Deus; que é o Espírito Santo. Os dons do Espírito, por outro lado, são dons que resultam do exercício do Espírito de Cristo na vida de alguns de Seus obreiros. O Dom do Espírito é o Espírito em Si. Os dons do Espírito são os milagres produzidos pelo Espírito.

Todo Cristão deve ter o Espírito em Sua vida. Paulo advertiu: “Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele” (Romanos 8: 9). Todo Cristão deve permitir que Cristo trabalhe em sua vida através do Seu Espírito, dando-lhe poder para a obra e o fruto do Espírito. Todo crente, portanto, deve ter o dom do Espírito (Atos 2: 38, 39) e permitir que este poder produza o fruto do espírito (Gálatas 5; 22, 23) em sua vida. Entretanto, os crentes hoje, não precisam ter os dons do Espírito (1 Coríntios 12). O movimento pentecostal moderno insiste que todo Cristãos deve possuir os dons do Espírito, especialmente o dom de línguas. Eles afirmam que este é o único meio para alguém confirmar se ele tem o Espírito. Nós respondemos que não são os dons do Espírito, é o fruto do Espírito que é a evidência através da qual alguém saberá se Cristo está trabalhando em sua vida através do Seu Espírito.

Os dons do Espírito foram designados para preencher as necessidades da expansão histórica da Igreja. O fruto do Espírito foi designado para preencher as necessidades da transformação interior dos membros da Igreja. Paulo declarou que os dons do Espírito (1 Coríntios 12) são inferiores ao amor, o principal fruto do Espírito (1 Coríntios 13). Os dons do Espírito foram temporários; o fruto do Espírito é permanente. Paulo disse “O amor nunca falha; mas, havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá; Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três; mas o maior destes é o amor” (1 Coríntios 13: 8, 13).

Alguns homens têm sido enganados neste pensamento que quando os dons do Espírito falham, cessam ou desaparecem, o Espírito em Si deixou de agir. Isto é completamente falso. Conceder poderes miraculosos foi apenas uma obra que Cristo fez através do Seu Espírito. O fato de que Ele finalizou uma fase de Sua obra não é indicação de que Ele encerrou toda a Sua obra. Cristo continua a trabalhar em Sua Igreja. Seu Espírito não habilita aos crentes fazerem milagres hoje, mas os habilita a experimentar a mudança de caráter. Os crentes de hoje não precisam operar maravilhas para serem espirituais, mas eles podem se tornar maravilhosos. Eles não necessitam de obras de milagres, mas eles podem se tornar milagres. Quando um vagabundo bêbado, estendido na sarjeta, é transformado pelo Espírito de Cristo em um ser limpo, Cristão devotado, isto é um milagre de caráter. Quando um egoísta, angustiado e membro afastado da Igreja é transformado pelo Espírito de Cristo em um Cristão generoso, gentil, amável e humilde, é isto que chamaríamos milagre. É isto que Cristo quer fazer hoje através do Seu poder transformador. Milagres do caráter são superiores aos milagres da natureza.

A água é uma das figuras usadas para simbolizar o Espírito de Deus porque, como a água, o poder de Deus transforma, deposita riquezas e produz poder. Como a água esculpe a superfície da terra e transforma a face do solo, o poder de Deus transforma o coração e vida do crente. Como a água deposita riquezas minerais e solo, o poder de Deus deposita ricas bênçãos na vida do crente. Deposita riquezas de salvação e produz o fruto do Espírito. Como a água gira as turbinas e produz energia elétrica, o poder de Deus dá a capacidade de recuperação ao crente e força para o serviço Cristão.

Print Friendly
Posted in Cristologia, Teologia Sistemática.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Efetue o calculo! *