A Caminhada Cristã – Capítulo 65

A Bíblia descreve a religião Cristã como o caminho (Mateus 7: 14; João 14: 6; Atos 9: 2; 19: 23; 22: 4; 24: 14, 22) e retrata a vida cristã como a caminhada por este caminho. Os Cristãos caminham em “novidade de vida” (Romanos 6: 4), “não segundo a carne, mas segundo o Espírito” (Romanos 8: 4), “honestamente, como de dia” (Romanos 13: 13), “por fé e não por vista” (2 Coríntios 5: 7), “em Espírito” (Gálatas 5: 16, 25), em boas obras (Efésios 2: 10), “digno da vocação com que fostes chamados” (Efésios 4: 1), “em amor” (Efésios 5: 2), “como filhos da luz” (Efésios 5: 8), “dignamente diante do Senhor” (Colossenses 1: 10), “nele” (Colossenses 2: 6), “dignamente para com Deus” (1Tessalonicenses 2: 12), “agradáveis a Deus” (1 Tessalonicenses 4: 1), “na luz” (1João 1: 7), “como Ele andou” (1João 2: 6), “na verdade” (2João 4) e com Cristo “de vestes brancas” (Apocalipse 3: 4).

A caminhada do crente está baseada na sua relação com Cristo. “Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito” (Gálatas 5: 25). O crente caminha pelo “caminho estreito” e mantém boas obras pela graça de Deus e o poder de Cristo. O Cristão não pode andar por suas próprias forças. Pelo sacrifício de Cristo, o crente pode ficar diante de Deus em solo sagrado. Através do poder de Cristo, ele se torna apto a caminhar neste solo santo. Estar (diante de Deus) refere-se à posição legal do crente perante Deus. A caminhada refere-se às suas atividades diárias e conduta.

A caminhada Cristã inclui atividades como a oração, estudo Bíblico, vencer as tentações, frequência à igreja, ser um bom cidadão, sendo um estranho e peregrino, testemunhando por Cristo, etc. Entretanto, uma pessoa não é um Cristão simplesmente porque ele ora, lê a Bíblia, vai à Igreja e é um bom cidadão. Uma pessoa é um Cristão porque está adequadamente relacionado a Deus por meio de Cristo. Embora alguém ore, leia a Bíblia e vá aos cultos na igreja, ele não será um Cristão a menos que tenha uma relação redentora com Deus através do sacrifício de Cristo. Os vários fatores incluídos na caminhada cristã devem ser vistos como fluindo da relação vital que o cristão mantém com Cristo. A conversão é o processo pelo qual o crente estabelece contato com seu glorioso Senhor. A vida cristã é o resultado normal do funcionamento deste relacionamento. Jesus disse: “Sem mim nada podereis fazer” (João 15: 5).

Os Cristãos vivem em justiça e são cuidadosos em manter boas obras não para que possam ser redimidos, mas porque eles foram redimidos. Eles fazem o bem não para que possam ser justificados, mas porque eles foram justificados. Eles andam no caminho Cristão não para que possam ficar em solo sagrado, mas porque já estão em solo santo. As obras não são o preço para adquirir a salvação; elas são as ofertas de gratidão. Nós amamos a Deus porque Ele nos amou primeiro. Nós vivemos para Ele porque temos experimentado Sua graça e misericórdia. O que Cristo fez por nós se torna a influência motivadora para executar o que devemos fazer por Cristo. Os primeiros três capítulos de Efésios nos contam o que Cristo fez por nós; os últimos três capítulos dizem o que devemos fazer por Ele. A primeira metade fala do estado e posição do crente em Cristo; a última metade fala da caminhada e do combate do crente em Cristo. O estado e posição são posturas inativas; caminhar e combater denotam movimento e atividade muscular. As duas seções de Efésios estão interligadas pela conjunção, “por isso” em Efésios 4: 1. “Por isso eu, que estou preso porque sirvo o Senhor Jesus, peço a vocês que vivam de uma maneira que esteja de acordo com o que Deus quis quando chamou vocês”(NTLH). O que devemos fazer por Cristo está baseado no que Ele fez por nós. A posição do crente em solo sagrado diante de Deus é a base do seu novo caminhar. Agradar a Deus e mostrar consideração pela salvação são os motivos da caminhada Cristã. Render-se ao senhorio de Cristo e ao Seu poder habitando interiormente é o método para realizar esta caminhada. Seguir as instruções de Cristo e caminhar com Ele constitui a maneira do caminhar Cristão.

A caminhada Cristã inclui todas as área da vida de alguém. “E crescia Jesus em sabedoria, e em estatura, e em graça para com Deus e os homens” (Lucas 2: 52). O crescimento de nosso Senhor era mental (sabedoria), físico (estatura), espiritual (graça para com Deus) e social (graça para com os homens). O crente também deve experimentar estas quatro formas de crescimento. O filho de Deus deveria ser como Cristo em todas as áreas e relações da vida.

1. Relacionamento com Deus. O relacionamento Cristão com Deus inclui os importantes fatores de adoração, oração, estudo Bíblico, amor por Deus, confiança, obediência e humildade.

2. Relacionamento Consigo Mesmo. Ao andar no caminho Cristão, o crente se vê como um filho de Deus. Ele pertence a Deus; portanto busca glorificar a Deus em seu corpo e mente (1Coríntios 6: 19, 10.) Ele fornece ao seu corpo os cuidados adequados de alimentação, descanso, exercício e higiene. Como um filho de Deus, ele tem um apropriado respeito próprio. Ele busca desenvolver sua mente e personalidade e busca usar o seu tempo, talentos e posses de maneira correta.
3. Relacionamento com o Pecado. Na caminhada Cristã, o crente enfrenta tentações. A tentação não é o pecado em si. A tentação se transforma em pecado quando alguém se rende a ela. O crente pode vencer a tentação tendo a sua mente e o coração cheios da Palavra de Deus, dependendo do poder vitorioso de Cristo e evitando as tentações com as obras de justiça. O cristão deve confessar seus próprios pecados e perdoar o pecado dos outros. Os pecados dos Cristãos são perdoados pelo sangue de Jesus Cristo, o Advogado (1João 2: 1, 2). A responsabilidade do Cristão é confessar os seus pecados a Deus e aceitar o Seu perdão (1João 1: 7-9).

4. A Palavra. Os Cristãos não são do mundo (João 15: 19; 17: 16). O mundo está crucificado para eles (Gálatas 6: 14). Eles “não amam o mundo, nem o que no mundo há” (1João 2: 15). (João 8: 23; Romanos 12: 2; Efésios 2: 2, 12; 5: 11; Filipenses 3: 19, 20; Colossenses 3: 2; Tiago 1: 27; 4: 4; 1João 2: 15-17; 4: 4, 5, 19) “Pelo que saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo, e eu vos receberei; e eu serei para vós Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso” (2 Coríntios 6: 17, 18). Os Cristãos são estranhos e peregrinos no mundo (1Pedro 2: 11; Hebreus 11: 13-16). Os Cristãos são odiados pelo mundo e perseguidos por ele (João 15: 18-20; 16: 33; 17: 14-16; 1João 3: 13; 4: 4-6).

5. A Massa da Humanidade. O Cristão, em relação à massa da humanidade, busca “fazer o bem a todos” (Gálatas 6: 10). Ele se torna um canal por meio de quem Cristo pode mostrar o Seu amor pela raça humana. O filho de Deus busca aliviar o sofrimento, a fome, a ignorância e a solidão que a humanidade experimenta. Ele tem compaixão pelo perdido. Ele se torna um evangelista pessoal, uma testemunha para o evangelho. Ele obedece ao mandamento do Senhor “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura” (Marcos 16: 15). O Cristão é o “sal da terra” (Mateus 5: 13), e a “luz do mundo” (Mateus 5: 14-16; Filipenses 2: 15, 16; 1 Pedro 2: 9). Ele é uma “carta viva” lida pelos homens (2Coríntios 3: 2, 3), um embaixador de Cristo (2Coríntios 5: 20).

6. Governos Terrenos. Nosso Senhor fez separação entre igreja e estado quando disse, “Dai, pois, a César o que é de César e a Deus, o que é de Deus” (Mateus 22: 21). O Cristão será um bom cidadão, pagará seus impostos e orará por aqueles que estão em autoridade (Romanos 13: 1-7; Tito 3: 1; 1Pedro 2: 13-15). “Admoesto-te, pois, antes de tudo, que se façam deprecações, orações, intercessões e ações de graças por todos os homens, pelos reis e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos uma vida quieta e sossegada, em toda a piedade e honestidade” (1Timóteo 2: 1, 2). Quando as leis dos homens entram em conflito com as instruções de Deus, o Cristão deve obedecer mais a Deus do que aos homens mesmo que ele deva morrer por Cristo (Atos 4: 19; 5: 29).

7. O Lar Cristão. Em relação à sua família, o crente que anda no caminho Cristão buscará manter um lar Cristão. Cristo será exaltado como o Cabeça do lar. Os ensinos da Bíblia determinarão as bases e a natureza da vida familiar. Adoração, oração e o estudo Bíblico ocuparão um lugar importante no lar. “Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula…” (Hebreus 13: 4). O estado civil de solteiro, ao contrária do ensino Romano, não é superior ao estado civil de casado. Paulo advertiu que “nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios, pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência, proibindo o casamento e ordenando a abstinência dos manjares…” (1Timóteo 4: 1-3). Aquele que está casado pode atingir um grau tão alto de espiritualidade como aquele que está solteiro. O sexo, expresso no casamento, não é pecaminoso; mas dado por Deus. Ele é um meio de expressar verdadeiro amor entre esposa e marido. Andando pelo caminho Cristão, cada membro da família vai seguir as instruções da Bíblia a respeito de si mesmo. A Bíblia dá instruções para os maridos (1Pedro 3: 7; Colossenses 3: 19; Efésios 5: 25, 28-33; 1Coríntios 11: 3; 7: 3-6); para as esposas (1Pedro 3: 1-6; Colossenses 3: 18; Efésios 5: 22-24; Tito 2: 4, 5; 1Coríntios 7:3-6; 11: 7-12); para os pais (Efésios 6: 4; Colossenses 3: 21; 1Tessalonicenses 2: 11; 1Timóteo 5: 8; Lucas 11: 11-13; 2Coríntios 12: 14; Provérbios 13: 24; 22: 6; 29: 15; 1Timóteo 3: 4, 5, 12; Tito 1: 6; Hebreus 12: 7; Salmos 103: 13) e para os filhos (Efésios 6; 1-3; Colossenses 3: 20; Eclesiastes 12: 1).

8. Companheiros Cristãos. Os Cristãos vão encorajar, exortar e ser exemplo uns para os outros (1Timóteo 4: 12). Eles vão amar uns aos outros (João 15: 12; 1João 3: 14). Eles perdoarão uns aos outros (Efésios 4; 32). Eles suportarão o fardo uns dos outros (Gálatas 6: 1-5). “Portanto, se há algum conforto em Cristo, se alguma consolação de amor, se alguma comunhão no Espírito, se alguns entranháveis afetos e compaixões, completai o meu gozo, para que sintais o mesmo, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, sentindo uma mesma coisa. Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo. Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros” (Filipenses 2: 1-4). Os crentes se reconhecerão como membros de um corpo (Romanos 12: 3-13; 1Coríntios 12: 12-27). “Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor, procurando guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz” (Efésios 4; 2, 3).

9. A Igreja. O crente que conserva o caminhar Cristão frequentará os trabalhos da igreja regularmente. “Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns; antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais quanto vedes que se vai aproximando aquele Dia” (Hebreus 10: 25). O amor, o companheirismo e o serviço Cristão podem ser encontrados nas relações sociais que são expressas nos cultos, atividades e obras da igreja. O crente contribuirá “conforme a sua prosperidade” para dar sustento financeiro à obra do Senhor. (1Coríntios 16: 2; 2Coríntios 9: 6, 7). A Bíblia apresenta o dízimo (um décimo do progresso) e ofertas como a base do método sistemático de suporte da obra do Senhor. (Gênesis 14: 20; Hebreus 7: 2-6; Gênesis 28: 22; Mateus 23: 23; Lucas 11: 42; Malaquias 3: 8, 10). O crente usará seus talentos voluntariamente no serviço do Senhor (Romanos 12: 3-8; Efésios 4: 7, 11-16).

10. Andando Onde Deus Responde as Orações. O crente que se coloca diante de Deus em Cristo e anda em comunhão com Ele está “onde Deus responde as orações”. Jesus disse: “Se vós estiverdes em mim, e as minhas palavras estiverem em vós, pedireis tudo o que quiserdes, e vos será feito” (João 15: 7). A oração é a resposta para toda pergunta e a solução para todo problema. A oração provê a resposta porque ela é a expressão devocional do contato entre o crente e a Pessoa que é a resposta. A resposta para os problemas não é tanto o quê, mas é a Quem. A solução dos problemas não está em algo, mas em uma Pessoa. A oração é a resposta porque Cristo é a resposta. A oração do crente abre portas fechadas, remove barreiras e derruba bloqueios porque permite a Cristo realizar as Suas obras gloriosas. A oração provê respostas para os problemas da vida não simplesmente pelo fato da presença da oração naquela vida, mas pela existência da relação fundamental em oração entre o crente e Deus através de Cristo. Portanto, a oração eficaz, não é resultado do volume, da quantidade de palavras, do tempo ou do lugar da oração. Ela resulta do reconhecimento desta relação redentora.

Os crentes que reconhecem sua relação redentora com Deus através de Cristo não centralizam sua atenção sobre si mesmos; eles a centralizam sobre Deus. Eles não colocam seus olhos sobre sua própria prece; eles mantém os olhos direcionados para aquele a quem estão orando. Eles não são egocêntricos; eles são teocêntricos. Não se tornam conscientes da oração, mas se tornam conscientes de Deus. Alguns homens acham que orar é difícil e desapontador. Eles oram, mas recebem como resposta apenas o eco de própria voz. Embora façam orações persistentes, as questões permanecem sem resposta e os problemas permanecem sem solução. Eles falham em reconhecer a relação redentora entre eles e Deus através de Cristo que torna possível a oração eficaz.

A oração da parte dos incrédulos é como tentar bombear água de um poço quase vazio fazendo uso de uma bomba velha e enferrujada. A oração do lado dos crentes instruídos que mantém uma amizade constante, viva e amável com Deus através de Cristo é como o fluir da água inesgotável do riacho de uma montanha, um poço artesiano ou o poderoso Niágara. Alguém poderia transmitir por um microfone de rádio, mas a menos que o engenheiro ligue a chave apropriada, ninguém poderá ouvir a sua voz. Um botânico do mar poderia andar pelo leito do oceano usando seu equipamento de mergulho, mas não poderia respirar a menos que seus companheiros de superfície mantenham o suprimento de oxigênio. Um bonde elétrico pode estar lotado de passageiros, o operador pode estar em seu controle, e o cobrador pode contar seu dinheiro, mas eles não podem andar nem um quarteirão a menos que se conecte a eletricidade. De maneira similar, os crentes poderiam orar sem cessar, as igrejas podem ter dias de oração, e as congregações podem orar durante toda a noite em torno do relógio, mas as palavras não alcançarão alturas maiores que a do telhado da igreja a menos que o contato seja estabelecido com Deus através de Seu filho, Jesus Cristo.

O contato redentor com Deus pode ser estabelecido somente através de Seu Filho, Jesus Cristo. Cristo é o único Salvador; o Cristianismo é o único caminho até Deus. Cristo é a única porta para o trono da graça de Deus; Ele é o único elo entre Deus e o homem. Se os homens O ignorem não haverá outro caminho pelo qual eles possam ter uma relação satisfatória com Deus. A fé é o ato e atitude através da qual o homem estabelece contato com esta gloriosa pessoa. A oração eficaz é resultado do funcionamento normal desta amável relação. Portanto, a oração funciona porque autoriza Cristo a operar. A oração muda as coisas porque permite que Cristo mude as coisas. A oração muda as pessoas porque permite que Cristo entre em suas vidas e as transforme de acordo com Seu glorioso propósito. A oração resolve os problemas porque traz quem ora para a posição requerida na qual Cristo pode trabalhar na vida de alguém.

Você está vivendo onde Deus responde as orações?
Você está hoje nele habitando?
De forma que você possa clamar, no nome de Jesus,
Por uma resposta quando está orando?
Você está certo de que nada está impedindo
A sua abençoada comunhão;
Quando de joelhos diante do trono,
Fizeres conhecida a tua petição?
Você está vivendo onde Deus responde as orações?

Mrs. H. S. Lehman

Print Friendly
Posted in Soteriologia, Teologia Sistemática and tagged .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Efetue o calculo! *